terça-feira, 5 de maio de 2009

Debate com o Sec.de Segurança.


To vindo do debate com o Sec. de Segurança do RJ, Delegado Beltrame (à esquerda na foto), na catedral de Valença.


O resumo é:


1) A solução do problema seria construir em Valença uma casa de custodia para pequenos delitos, onde quem fosse preso furtando uma galinha ou vendendo 50 gramas de bagulho não fosse colocado na mesma cela de quem sequestrou, roubou e matou.


2) Isso não vai acontecer. O governo do estado (diz que) não tem dinheiro.


3) O secretário também disse que a culpa da falência da segurança publica é dos (outros) governos e também nossa, que não sabemos votar. Tive que concordar com ele...



PS: aguardo intervenção mais brilhante de Ana e Danilim.

21 comentários:

Castor de Andrade disse...

Só pra constar, a placa do Caveirão que está na foto é 1366, que no jogo-do-bicho é macaco!

Anônimo disse...

Bom dia
Eu quero deixar registrado minha opinião. Moro em conservatoria e aqui só temos uma viatura para toda a cidade. Se houver alguma ocorrencia eles vão para valença e ficamos só com um policial no DPO que não pode sair pra nada. Outro detalhe quando a viatura tem que ser abastecida eles vão para Barra do Piraí para isso.Deixando a cidade sem policiamento novamente.
Como resolver esse problema?
Obrigada

Anônimo disse...

na verdade não houve debate, o que houve foi um seminário, explanações sobre segurança pública e a questão da manutenção da carceragem no município. estiveram presentes o secretario de segurança pública do estado, beltrame; o juiz da comarca de valença, claudio; o tião do conselho de segurança; o prefeito vicente guedes; o bispo, dom elias; o deputado molon, do PT e o coordenador da campanha da fraternidade em valença, helio suzano.

setores progressistas da igreja católica se reuniram para produzir o evento que, nas palavras do helio, pretendeu ser um gesto concreto dentro da campanha da fraternidade desse ano que tem como tema / lema: "fraternidade e segurança pública" / a paz é fruto da justiça.

parece que os convidados de fora (beltrame e molon) não sabiam da questão da carceragem, mas falaram a seu modo e adequados à realidade do seu público, sobre o tema maior da segurança pública.

Ana Maria disse...

Anônima de Conservatória:

boa tarde. Se a sua pergunta fosse direcionada ao Beltrame, no Pavilhão, ele responderia mais ou menos o seguinte: que um Secretário de Segurança Pública, por melhor e mais capacitado que seja, não goza de atribuições plenas para qualificar o policiamento distrital no estado, porque precisa de autorização de outras pastas a fim de lançar concursos públicos destinados a recrutar e a selecionar pessoal, à formação do mesmo e ao preenchimento de vagas de acordo com estudos técnicos para que demandas como essa da população de Conservatória sejam atendidas (tão logo suprimidas carências emergenciais).

Frustrante, não?

É que sem uma solução concreta à realidade interiorana e apostando que ainda estamos no lucro porque a estrutura familiar no interior ainda é mais sólida (ou conservadora), porque a religiosidade é mais latente e a moral mais intocada, Beltrame transformaria sua intervenção em proveito de sua própria permanência no poder. Ele diria (e disse) que precisa de no mínimo 5 anos a mais para sanar parte da criminalidade do estado (!), o que significa que todo cidadão participativo e bem intencionado presente no Seminário do Pavilhão, querendo se livrar da violência made in capital, deve reeleger Sérgio Cabral e corroborar com as políticas públicas do governador.

No mais, lhe diria: perseverança, irmã. Permaneça assim exemplarmente solidária na sua culpa, você, seus vizinhos e familiares. Pague seus impostos e não perca a esperança por dias melhores. Um dia Conservatória terá meia dúzia de policiais e duas viaturas salvaguardando o patrimônio da cidade, as belezas naturais e sua população. Tenha fé.

MARCUS ANTUNES disse...

Amigos boa tarde.

Quem vende maconha é TRAFICANTE, portanto o sujeito fica muito bem acomodado em um BANGU da vida e bem longe da nossa querida Valença.
É uma pena que a punição para o usuário não seja a mesma do TRAFICANTE afinal de contas QUEM USA DROGAS FINANCIA O TRÁFICO.

Marcus Antunes

Anônimo disse...

Ja que a resposavel pelo movimento é a igreja por que ela nao financia a construção de uma casa de custodia?
..................dinheiro para gastar na catedral não falta, com tvs de plama ou outras futilidades tecnologicas.

MARCUS ANTUNES disse...

Acho um absurdo o que o Padre Medoro está promovendo com esse movimento. Alias as funções dos Padres deveria se resumir em ouvir confissões e celebrar missas já que quando se metem em assuntos da sociedade são um fracasso.
Se o sujeito roubou uma galinha ou se foi preso vendendo maconha(apesar do Professor Samir achar esse tipo de crime brando)é ROUBO e TRÁFICO DE DROGAS e não deve ter nenhum tipo de benefício só por que como diz o padre é filho de nossa terra.
Traficou, agrediu, roubou e matou, é BANGU neles.

MARCUS ANTUNES

Anônimo disse...

a igreja não pode sair por aí bancando prédios públicos, não é sua atribuição e, mesmo que fosse, para a manutenção da carceragem com a criação da delegacia legal que prevê a sua extinção, será preciso uma batalha jurídica. a questão passa longe do administrativo, é preciso alterações na lei pra que isso ocorra. e nesse momento, união dos setores interessados em manter a cadeia aqui, além dos setores progressistas da igreja, a sociedade civil organizada, a câmara dos vereadores, as instituições, como a faa, por exemplo. com o seu curso de direito, devia estar representada no seminário do pavilhão, mas segurança pública àqueles burocratas do ensino passa longe dessas questões. por isso eles chamam gente como wagner montes pra falar na semana jurídica... que vergonha.

Ana Maria disse...

O problema não é a Igreja na Política, mas é a forma como ela se insere e se perpetua nessas disputas. Com relação ao problema local da segurança pública e da manutenção da carceragem no Município, infelizmente ela vem sendo debatida sobre fundamentos morais, .. em suma, “nossos presos, nossa responsabilidade”... moral e não estrutural.

Entre tantas batatadas, em função desse condicionamento moral, tivemos que ouvir e boa parte aplaudir um Sr. Beltrame dizer que a violência fluminense é fruto de um abando cultural, dissolvendo e descaracterizando a discussão.

O problema não é o Padre Medoro, não são as pastorais e seus agentes, o problema é a subserviência e a despolitização desses setores, mais problemático ainda é a substituição da crítica social pela culpa solidária que fazem com que saia daqui “louvado” um Beltrame que se ateve a fazer piadinhas infames durante toda a sua explanação, além de desinformar o público, manipular e posar de cidadão bem intencionado.

Foi nojento. Por isso que dizem com muita sapiência:
de boas intenções o inferno está cheio.

Jurema disse...

pode crer, foi bem nojento ouvir do secretário que o rio é uma execeção na história da violência brasileira.

das piadas infames, a pior talvez tenha sido a de que diferente da nossa realidade, no norte do país, as "coisas" (coisas = conflitos sociais) são resolvidas com dois a seis tiros de espingarda. irmã dorothy que o diga se viva estivesse!

só faltou ele blasfemar:
- olhe gente como é muito mais fácil ser secretário de segurança pública no pará!! lá nem tem a tecnologia contrabandeada de israel, olhe, como eu sofro! como é difícil a minha função, a de salvar o rio de janeiro!! por isso que eu meto bala, mesmo!

pqp.

Edgar disse...

Acho q os presos em valença tem + chances de se recuperar q no rio, isso eh fato. Agora tem o outro lado da moeda, tem mt bandido q passou a vida td em valenca (presos ou soltos) e nunca se recuperou!!! Querem exemplos???? acho q nem precisa...só sair na rua!

em errata, eu disse...

da piada sobre a piada do beltrame:

"...como é difícil a minha MISSÃO, a de salvar o rio de janeiro!! por isso que eu meto bala, mesmo!"

ass.: jurema

Anônimo disse...

Galera do VQ...
Acho super válido o debate de vcs, mas acho q muita gente "menos esclarecida" gostaria de participar dos debates mas se retrai diante de tanta informação "técnica". Resumindo... será q dá p ser mais direto nas colocações, como faz samir e capilo?
alguns posts como os da ana reis( desculpe, nem conheço a moça) ficam intediantes e repletos de "falta de significado".
defendo as ideias do vq, talvez ate por nao ter tido essa coragem na juventude, mas fico triste ao ver que muitos se esquivam por acreditar nao ter como fazer parte "desse meio" cultural.
conto com a compreensao de vcs

bjo

Maria Elvira.

Samir Resende disse...

Prezada Maria Elvira,

Acho que é justamente esta heterogenidade de forma e opinião que enriquece o debate no nosso blogue. Ana é uma intelectual, está se doutorando por uma renomada instituição de ensino da capital e escreve muito bem. Bem melhor e mais incisiva do que eu, por ex.

Acho que tem horas que a gente tem que ser rápido e direto no gatilho, prá não deixar escapar a hipocrisia etérea que paira sobre Valença, mas também acho que temos que ser técnicos e esclarecidos, prá que as questões sejam avaliadas profundamentamente. Tem horas que precisamos cortar mais fundo a carne para estipar determinadas feridas, e isto tópicos como o da Ana Reis (e outros) fazem muito bem.

Anônimo disse...

Mas escrever com palavras difíceis não é sinal de erudição. Sofisticado é o sujeito escrever de uma forma que todos entendam, do doutor ao garoto do ensino médio. To com a Elvira

Danilinho Serafim disse...

Corroborando com o que o Samir disse o fundamental não é a forma do texto, mas o conteúdo e a contribuição com o debate. E a Ana tem contribuído com extrema qualidade e competencia com as discussões que tem que ser discutidas com a profundidade que elas merecem, rompendo com a superficialidade que muitos de nós, como eu, tratamos aqui nesse blogue através de comentários.

Um abraço

Anônimo disse...

A todos do VQ,
Me desculpem se por algum momento fui indelicada ao me referir aos comentarios de Ana Reis, mas nao queria dizer q estao fora de padroes técnicos, eu disse apenas que, ela fala (e bem), mas a grande maioria das pessoas, nao compreenderia uma linha.
e esse nao é o objetivo do blog, falar e nao dizer nada.
Ao membros do blog, e demais leitores, desculpas por minha colocação.

Abraços respeitosos a todos,

Maria Elvira.

Ana Maria disse...

Aos incomodados, uma dica: visualizem o ícone ao lado (a mulher de amarelo e espelhinho na mão) e passem ao comentário seguinte. Assim poupamos tempo e paciência dos moderadores.

Anônimo disse...

a maria elvira opinou, explicou, até se desculpou. e a resposta é "os incomodados que se mudem"? francamente gente, menos arrogância.

Anônimo disse...

pra mim a ana deu um alô pra gente eleger nossos interlocutores no vq. a maira elvira pode ser fã do samir e do capilo, mas tem muita gente que não suporta os dois e não deixa passar batido. tem quem goste apenas do estilo sanger e fael, mas pra mim eles são muito bonzinhos tem hora. por isso o pé na porta de alguns faz a diferença. eu por ex, gosto de ler o danilo. só que eu tenho certeza de que ninguém aqui está querendo saber das minhas preferências. por isso mesmo que tal recomeçar a conversa no texto "violência urbana e políticas de segurança pública", o que cita novamente o beltrame e o wagner montes?

juliana
valença/rj

Anônimo disse...

De Luiz
Ao ler alguns textos acima tive a impressão de não ter vivido em Valença por algum tempo, quem vive nesta cidade ou em qualquer cidade do interior a de convir que o crime é diferente, para esclarecer a Vossas Senhorias o crime é um problema municipal, todos os estudos demonstram que a mistura cultural do crime não só ensina mais praticas criminosas mais traz criminosos de outras regiões para essas cidades de menor movimento, ou seja o exedo de presos do interior para capital trará aumento do crime para o interior.
Outro equivoco que pode ler, foi que a Igreja Católica administrada com muita propriedade pelo Valoroso Padre Medoro não teria que ajudar nesta questão, observo total falta de conhecimento de Cristianismo destas pessoas, além de ser obrigação de qualquer Valenciano o resguardo desta cidade, este projeto que muitos que comentaram com desdenho hoje é um sucesso, assumindo papel único no estado sendo pioneira em vários projetos, para finalizar compreendam que cada pessoa hoje presa voltará a sociedade, quase na totalidade a região em que mora e foi preso, entendam que um que se recupere não deixara de cometer um crime e sim vários antes de ser preso, com isso diminuindo não só a criminalidade mais também diminuindo o custo do estado ou do município com segurança publica., antecedendo assim o crime para não ter que remediar, obs. a todos que falaram de traficantes, sou contra o trafico e até contra o uso, tendo certeza que a pena de usuário branda e permissiva, (só para consignar).