sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

População promove quebra-quebra, e prefeito foge de Valença (na Bahia)

A população da cidade de Valença, a 120 quilômetros de Salvador (BA), tenta nesta sexta-feira (25) retomar a rotina após uma noite de intensos protestos e depredações. Por causa da fúria popular, o prefeito Ramiro Campelo de Queiroz precisou deixar a cidade. Houve quebra-quebra, saques em lojas, interrupção do trânsito e muita confusão.

Segundo moradores da região, a população protestava exigindo mais segurança. O estopim para a revolta foi o latrocínio de um jovem, ocorrido dentro de casa. O corpo permaneceu dois dias à espera de um legista para a necropsia. Ele teria sido a 14ª vítima da violência neste ano no município, que tem uma população estimada em pouco mais de 88 mil pessoas.

Foi necessário o reforço de policiais da região para conter os ânimos. A população apedrejou prédios como o da prefeitura e o da Receita municipal. Lojas da família do prefeito foram saqueadas e depredadas.

“Eu ainda estava no gabinete, despachando com alguns vereadores, quando ouvi os gritos de "fora, prefeito". Se não fosse a proteção policial, eles teriam invadido a prefeitura e nem sei o que poderiam ter feito. Foi terrível, nunca vi isso em minha cidade”, disse Campelo, que foi escoltado para Salvador.

“Ainda tentei argumentar que essa questão do legista não é de responsabilidade municipal, mas do governo do Estado. Porém, os revoltosos não quiseram ouvir”, completou .

Segundo informações da polícia, existem apenas dois legistas para atender a região, o que justificaria a demora na liberação dos corpos. Já houve caso de corpos aguardarem até três dias no Departamento de Polícia Técnica para serem necropsiados.

O prefeito admite que os índices de violência são crescentes na cidade e afirmou que aproveitaria a sua estada em Salvador para conversar sobre o assunto com o governador Jaques Wagner (PT). O governador, no entanto, viajou para a Coreia do Sul. Segundo a assessoria do governo baiano, Campelo deverá ser atendido pelo governador em exercício, Otto Alencar.

Notícia retira do UOL

4 comentários:

padeiro Gabriel disse...

Já começo a questionar se o nome Valença não carregaria uma praga oculta que, agora neste fim dos tempos, começa a se revelar. Tremamos todos!

Anônimo disse...

Bobagem essa, a do padeiro. Essa é uma das raras vezes em que Valença da Bahia aparece na mídia . Existe ainda a do Piaui, que se bobear ninguém sabe onde fica. O nome em si não é problema. Problema é o povo que descambou pra aqui. Uma amiga de TO me ligou, comentou o caso e concluiu que mesmo não sabendo que se tratava da Valença baiana, entenderia no ato não dizer respeito à cidade fluminense. Acompanha as noticias da terrinha por aqui mesmo. Se contorce com a noção de que aqui corre sangue de barata. É isso.

Anônimo disse...

Esse To, toto do vicente, cachorrada.

Ricardo disse...

Gente mesquinha! Onde já se viu, fazer quebra-quebra, saques...

Estudar ninguém quer.