segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Qual o tipo de Imposto você gosta? O Itaú e a Rodoviária

Com as tentativas de governo de prorrogar a CPMF mais uma vez observamos vai uma manifestação em nosso país de um movimento muito "curioso" de constetação aos impostos. Com o slogan "xô CPMF" alguns setores da sociedade brasileira, que não seja nenhum espanto o fato de eles serem os setores mais favorecidos economicamente, reclamam, com razão diga-se por sinal, da alta carga tributária que a população brasileira paga em impostos.
Contudo, percebi que há um alvo em preferência em torno dessas reclamações: o Estado. Há dois casos muito particulares que demonstram esse monopólio das criticas: o chamado "ingresso de acompanhantes" da Rodoviária Novo Rio e o saque dos caixas eletrônicos do Itaú fora das agências.
No primeiro caso, se você quiser acompanhar um familiar, um amigo, uma namorada até ao ônibus, você é obrigado a pagar a taxa de 1,50 reais para ter esse "privilégio". O mais interessante é que essa taxa é por pessoa, logo, quanto mais familiares, mais o administrador da rodoviária irá arrecadar. Perguntamos aqui: qual é a justificativa para essa cobrança? Qual é o "custo" dessas pessoas ao acompanhar a pessoa que vai viajar? Dúvidas, dúvidas.....
O segundo caso é mais rídiculo que o primeiro. O banco Itaú, que é um dos bancos com a maior taxa de cobrança para manutenção de conta corrente, "inventou" uma nova cobrança. Se você efetuar um saque nos chamados "quiosques" (caixas eletrônicos fora das agências) você será obrigado a pagar uma "taxa extra" no valor de 1, 40 reais. Isso mesmo, além de pagar mensalmente uma taxa de manutenção da conta, o banco Itaú instituiu essa "nova modalidade de imposto". Também nesse caso, qual seria a justificativa?
Nos dois casos há um consenso: eu nunca vi uma maniefstação contra esses "impostos", pelo menos não, nas chamadas "televisões abertas" (Rede Globo, Bandeirantes, SBT....). No entanto, todas elas parecem ser contra os "impostos do Estado". Interessante é a ausência dentro dos jornais dessas emissoras de qualquer menção a estas conbranças dessas prestatoras de serviço.
A pergunta que fica é a seguinte: qual é o tipo de imposto que você mais gosta? Devemos ficar atentos para não reproduzirmos discursos que escondem os privilégios de algumas empresas. Afinal, o Itaú é "feito para você". Eles se acham muito espertos....

4 comentários:

Anônimo disse...

Interessante, Sanger/Regnas. Só uma dúvida: tudo bem que você vá levar um familiar, um amigo, mas agora, uma namorada? Tá querendo enganar quem?

Abraços de um também lobo solitário

Sanger/Regnas disse...

Sacana.... Mas é assim mesmo. A esperança é a última que morre!!!!
Assim as pessoas vão pensar que não sou um cara sério....
rsrsrsrs
Abraços!!!!

Capilo disse...

Infelizmente tennho que concordar com nosso amigo anônimo. E também com companheiro Regnas em relação aos impostos absurdos que nos impõem.

O que parece acontecer na maioria das vezes é que, se ninguém reclama, eu é que não vou reclamar. Quem passa por isso pela primeira vez, pode até achar estranho, mas como todo mundo (ou a maioria das pessoas) assimila, você reclamar fica até estranho.

O que temos que fazer é deixar de ter vergonha de sermos explorados e exigir os nossos direitos. O Banco do Brasil limita o número de saques, mesmo em agências. Mais de 10, tasca taxa no cliente.

Em relação ao Itaú, é triste falar isso, mas dificilmente vamos ver alguma reclamação desse banco, que foi o que mais lucrou no último balanço dos bancos. Porque? Assista a uma partida de futebol na Globo, qualquer intervalo, e durante mesmo a exibição, o banco feito pra você aparece repetidamente.

Isso porque na Globo o que tenho visto é só futebol (mesmo assim raramente). Mas as inserções do Itaú devem aparecer em intervalos do Jornal Nacional (horário mais caro, na época de faculdade, há uns 4 anos atrás, 15 segundos era na média de 350 mil reais nesse horário), novela das oito...

Fael disse...

Muito bom esse texto, retrata como nós dizemos coisas sem termos qualquer noção das razões pelas quais a dizemos. é preciso repensar nossas ações que são meras reproduções do que nos é dado.

Quanto a solidão do lobo Sanger, o que tenho a dizer é que um lobo solitário nunca estará sozinho de fato, pois há muitos como você espalhados neste mundo, só neste blog eu conheço um montão, né bebeto!!