sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Editorial (VQ 35)*

São quase quatro meses sem o Valença em Questão impresso. Ainda bem que temos o Blog, que com atualizações diárias, e sem custo financeiro, possibilita nossa interlocução com os leitores. Não a ideal, porque consideramos imprescindível a edição impressa, inclusive para atingir públicos diferentes.

O motivo pela ausência, como seria normal, não é agradável. Desde nossa última edição, especial sobre as eleições municipais, distribuída no final de setembro, passávamos por problemas financeiros. Mas logo após a edição, em solicitação via email, conseguimos arrecadar fundos para pelo menos três edições. Mas eis que de repente, no dia 31 de outubro recebemos um telefonema, solicitando minha presença – como jornalista responsável - na Justiça Eleitoral, para recebermos uma“correspondência”. No princípio, um estranhamento de porque a correspondência não poderia ser encaminhada via Correios, como seria feita naturalmente. No domingo, dia 2 de novembro, dirijo-me à Justiça Eleitoral para receber a tal “correspondência”. Na verdade se tratava de uma notificação de que a publicação estava sendo processada pela coligação “Valença de Cara Nova”, que elegeu o atual prefeito Vicente Guedes.

O dinheiro arrecadado, que daria para pelo menos três edições, não foi suficiente para pagar os honorários do advogado. Mais dinheiro pessoal foi colocado para que pudéssemos (em até 48 horas) preparar a defesa, caso contrário seríamos – segundo o oficial de justiça– condenados sem direito de defesa. A condenação era pelo menos uma multa que variava de R$ 53.205,00 a R$106.410,00, além de suspensão imediata da publicação sob pena de multa diária.

A motivação do processo foi a enquete realizada pelo Blog do VQ durante o período eleitoral. Apesar de diversas vezes afirmarmos que não se tratava de uma pesquisa oficial, mas que apenas tinha o objetivo de alimentar o debate, que esquentava nas páginas do Blog no período pré-eleições. E ao usarmos a plataforma do Blog na edição impressa, em que a enquete aparecia ao lado, o Ministério Público acatou o pedido do advogado da coligação.

Nossa defesa, logicamente, considera o valor da multa absurdo – ainda mais para quem não tem qualquer tipo de financiamento e não tem o menor fim lucrativo. Mas pior do que ter que pagar a um advogado, ou até mesmo de ser condenado, o Valença em Questão acredita que aprincipal intenção do processo movido contra nós é muito mais uma tentativa de criminalizar um movimento que vem trabalhando há quase quatro anos na cidade de forma isenta, respeitosa, mas que por isso mesmo, incomoda ao poder político local.

Nesta edição demos destaque a textos de pessoas amigas que ao saberem do processo se solidarizaram e escreveram sobre o tema. Além disso, falamos da Ocupação Gisele Lima, omitida na imprensa local, que ocupa, ainda, algumas casas no bairro da Varginha, como acordado com a gestão municipal anterior. Após texto publicadono Blog do VQ, o então secretário de Assitência Social, Rogério Fort, respondeu, pela internet, à matéria. Aqui, colocamos suas respostas aos questionamentos. Também temos a contribuição de Francisco Lima, falando da luta dos trabalhadores em 2009, com foco no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra em nossa cidade e da desocupação da Fazenda do Vargas pelo MST.

(...) Algo que o VQ não poderia deixar de abordar é a nossa total ojeriza ao genocídio do povo palestino que vem acontecendo na Faixa de Gaza. O Valença em Questão se coloca totalmente a favor de um cessar-fogo e que Israel respeite o acordo firmado em 1948 da existência de um Estado Palestino. Repudiamos também a Organização das Nações Unidas que não demonstrou vontade política de colocar fim ao massacre na Faixa de Gaza.

Uma boa leitura e até a próxima edição, podem ter certeza!
* A edição impressa será distribuída a partir de amanhã, sábado, na Rua dos Mineiros e nos pontos de distribuição

49 comentários:

Capilo disse...

A edição 35 do VQ já está disponível no grupo do Yahoo (na barra da direita do blog há o link para o cadastro), para quem quiser ter acesso à edição em formato PDF. Outra possibilidade é solicitar o envio por email (valencaemquestao@yahoo.com.br).

Anônimo disse...

Vixeeee, o circo vai pegar fogooooooo!!!!

Júlia disse...

Vixeeee, o circo vai pegar fogooooooo!!!! [2]

Carlos Henrique disse...

é realmente um absurso. acabei de ler toda a edição aqui na internet, e está show. o circo parece mesmo que vai pegar fogo

corinthiano disse...

Vixeeee, o circo vai pegar fogooooooo!!!! [3]

Anônimo disse...

Belo título no texto do professor Paulo Roberto: "Imprensa que não incomoda o poder não serve à sociedade". Assino embaixo

Vitória disse...

Não só o título do texto do Paulo Roberto é bom. Apenas um trecho do texto dele, que achei muito bom:

"No caso do Valença em Questão, o
que talvez incomode a alguns é a evidente e legítima escolha de se contrapor à mídia hegemônica, de recusar os consensos apresentados pelos grandes meios do país, a bem vinda disposição em dar voz aos segmentos da sociedade civil que não costumam tê-la nos veículos tradicionais"

Vitória disse...

Outro trecho, este do texto da 'desordeira' Mariana:

"O jornal Valença em Questão é um desordeiro legítimo. E como todo desordeiro, não esconde isso. Estampa em suas páginas, orgulhoso, a busca pelo que não é dito. Cede espaço, todo pomposo, para a escória, os baderneiros e os malandros. Apóia sem vergonha associações de classes e trabalhadores. Questiona a ordem, a todo tempo e se entrega, de graça, mensalmente aos cidadãos de Valença, sem o menor pudor"

! disse...

E viva a desordem!

Anônimo disse...

Confesso que fiquei surpreso. Imaginei que o VQ era vendido pro Vicente Guedes. Isso quer dizer que então vocês estão com o Álvaro?

Anônimo disse...

Aqui só entra comentário de apoio. Aposto que as críticas do pessoal que fala mal vocês bloqueiam. Assim é fácil parecer que todo mundo apoia vocês

César disse...

A capa ficou sensacional. dá maior curiosidade pra ler, mas vou esperar pegar o meu impresso amanhã, que ler no computador, na minha idade, não é nada confortável

Fael disse...

Amanhã, a partir das 10:30 da manhã estaremos distribuindo fogo, quer dizer, o jornalna rua dos Mineiros.

Anônimo disse...

tou indo pra lá entao!

Priscila disse...

Manifestação e entrega de jornal foi muito interessante. O Valença em questão não deve se calar.

Obs: muito legal a idéia de vcs de colocar uma tarja preta na boca. Adooooooooorei!

Um desordeiro disse...

Parabéns a desordeira Marianna Araujo, brilhante o seu texto no jornal Valença em questão.

Anônimo disse...

Nunca li tanta bobagem junta. Rídicula esta distorção das Coisas. Cada dia que passa tenho mais vergonha de vocês. Vergonha porque distorcem tudo para parecerem heróis e perseguidos e Vergonha porque se não for distorção, é má compreensão das coisas. Doença grave.
Vocês foram processados porque publicaram a enquete aqui do Blogue. Um flagrante desrespeito a lesgislação eleitoral (o que vocês não podiam desconhecer). E não cabe aqui argumentos se publicaram a enquete por boa ou má fé. A lesgilação determina que não pode e pronto (se não for pesquisa oficial).
Esse foi o motivo do processo. Não há nada em criminalizar o jornal ou os movimentos sociais. Parem com essa distorção. Se o motivo fosse este mesmo que falam, por que então não fizeram isso antes, ou seja, por que não "perseguiram" vocês antes?

....o
que talvez incomode a alguns é a evidente e legítima escolha de se contrapor à mídia hegemônica, de recusar os consensos apresentados pelos grandes meios do país, a bem vinda disposição em dar voz aos segmentos da sociedade civil que não costumam tê-la nos veículos tradicionais".....

Pura Balela e distorção dos fatos. O Jornal foi processado porque publicou uma "pesquisa eleitoral" irregular.

Quando vão parar com essa necessidade de ser e parecer o que não são?

Outra coisa que incomoda muito é esse papo que tiveram que pagar advogados, que não tiveram dinheiro...
Quer dizer que essa "imensa" rede social, esse "influente" movimento social (que até está sendo cruelmente perseguido) não tem nenhum advogado? Não há um sequer entre vocês?
Brincadeira, né!?

Vocês vão conseguir alguma coisa quando se aproximarem mais da verdade. Agindo como estão agindo, serão apenas motivo de chacotas.

Acordem, afinal nem todos estão dormindo.

Bruno Oliviera - 24 8134-8514

Anônimo disse...

Bruno, na boa:

Flagrante desrespeito à justiça eleitoral foi a compra descarada de votos - por ambos os lados (Graciosa e Picciani) - que vimos no dia da eleição.

Infelizmente, não tenho como "provar" perante a nossa "justiça" que isso ocorreu, mas Valença inteira está "careca" de saber (eu mais do que vc!) como funcionou (e funcionam) as coisas aqui no nosso feudo.

Se vc sente vergonha de nós, saiba que eu também sinto vergonha por vc, que se prende num legalismo pedante para justificar o injustificável: a descarada tentativa de intimidar um grupo de cidadãos que teve a coragem de denunciar esta violência.

Mas, se assim vc prefere, alem de vergonha, eu tenho pena de vc, pois, se não estais recebendo nada em troca destes comentários (mais um dos mais de 1000 cargos comissionados da PMV), vc é só mais um ingênuo útil que nestes últimos 25 anos tem contribuido para Valença ter se tornado o que tornou.

Sem ofensas,

Samir Resende - 24.8121.3872

Capilo disse...

Prezado Bruno,

Para que tome conhecimento, o mérito da questão trata de suposta violação do art. 15 caput e parágrafo único da resolução 22.623do TSE, cuja redação diz:

Art. 15. "Na divulgação dos resultados de enques ou sondagen, deverá ser informado não se tratar de pesquisa eleitoral descrita no at. 33 da lei 9.504/97, mas de moro levantamento de opiniões, se controle de amostra, o qual não utiliza método científico para sua realização, dependendo, apenas, da participação espontânea do interessado."

Em nosso Blog, que não sei se frequenta, temos algumas postagens referentes à enquete, que dizem exatamento que não se trata de pesquisa eleitoral, conforme determina a nossa legislação.

Continuando:

"Parágrafo único - A divulgação de resultados de enquetes ou sondagens sem o esclarecimento previsto no caput será considerado divulgação de pesquisa eleitoral sem registro, autorizando a aplicação das sanções previstas nesta resolução"

Portanto meu caro, não se tratou de um "flagrante desrespeito a (sic) legislação eleitoral", como afirmou.
____
Infelizmente, o grupo, pequeno, não tem nenhum advogado entre nós. E não considero isso nenhum absurdo. Haveria sim a possibilidade de articularmos um advogado juntoa outros movimentos no Brasil, mas tínhamos apenas 48 horas para nos defender. Infelizmente, nossa articulação não foi tão rápida, infelizmente.

Na tentativa de ter esclarecido alguns pontos, um abraço e obrigado por proporcionar o debate.

Vitor Monteiro de Castro

Victor S. Gomez disse...

Obrigado a vocês amigos. Um grande abraço e sucesso.

Victor S. Gomez disse...

Caros amigos, por ordem estritamente particular e pessoal tive de retirar a matéria, peço humildemente desculpas. Abraços

Anônimo disse...

Respondendo ao Samir e ao Vitor


Samir,
Você fala em “descarada tentativa de intimidar um grupo de cidadãos que teve a coragem de denunciar esta violência.” Você tá brincando né? Rapaz, o que impediu a impressão da exemplar 35 do VQ, antes de hoje, foi falta de dinheiro, ou vocês também mentem sobre isso? (a propósito, quanta custa à impressão deste jornal?).
E por falar em dinheiro, que fixação! Hein Samir?! Quer dizer que qualquer pessoa que comente recebe grana em troca? E se não recebe em um Ingênuo? Por esse seu tosco pensamento, pergunto: Quanto recebeu o Sr. Danilo Serafim? E quanto recebeu o Sr. Paulo Roberto? Ah, eles escrevem, opinam, sem receber. Por que só eles? Eu também, cara pálida!
Vocês são patéticos dentro desta paranóia de Vocês. Ridículos mesmo.

Vitor,
Monteiro de Castro, né? Filho do Advogado Vicente de Castro, né?
E o advogado Francisco Lima? Não quis ajudar? Pó, até o Dono da Gráfica ajuda dando prazo a vocês... Ainda mais que não tem custa na Justiça Eleitoral.
O que vocês fizeram foi uma grande palhaçada. Tentam se passar por vítimas, por perseguidos, quando isso nunca aconteceu. E nem vai acontecer e vocês sabem bem o porquê.
Um despropósito tantas falácias, tantos sofisma.
Vão acabar perdendo um leitor que até aqui admirava a empreitada de vocês.
Para que fingir isso tudo? Para que querer posar de vítima? Cresçam, cresçam!

Bruno Oliviera - 24 8134-8514

Anônimo disse...

E tem mais,

Quando que vocês foram censurados?
Isso é uma grande mentira. Ninguém nunca censurou vocês!
Não alcanço o motivo de tanta mentira, tanto teatro em torno disso!
Peça, desculpas, peçam!

Bruno Oliviera - 24 8134-8514

Fael disse...

Caro Bruno, se vc tem que pagar um advogado, vc, evidentemente, tem que desembolsar dinheiro. A maneira que o VQ tem de desembolsar dinheiro é tirando o dinheiro que tínhamos para os próximos jornais e colocando eles a disposição do advogado. Como todos sabem que o VQ vive em regime de voluntariado (inclusive quem impetrou o processo), eles sabiam que fazendo isso iriam conseguir nos calar por um bom tempo e, dependendo, nos calar para sempre (pois achariam que ficaríamos com medo de botar a boca no trombone).

"Mas estamos de volta, firme e forte, sem perder a chinfra", rs

Samir Resende disse...

Bruno, já que vc falou em minha fixação sobre dinheiro, vamos fazer umas continhas aqui neste espaço:

Uma edição mensal do jornal custa 400,00 dinheiros!

A ação contra nós pedia uma indenização de quase 100.000,00 dinheiros.

Dividindo o valor da indenização (R$ 100.000.000) pelo valor de uma edição mensal(R$ 400) só teríamos o Valença em Questão daqui há 250 meses, ou seja: se condenados, o próximo jornal saíria mais ou menos em outubro de 2034!!!

Haja mandato intinerante pra nos censurar por tanto tempo, hein??

Samir Resende

PS: Fael, parabéns!! Muitas felicidades!!!

Anônimo disse...

Só quatrocentos reais?
Vocês são mesmo mesquinhos, heim?
Só isso que custa para bancar o sonho de vocês? E ninguém desembolsa nada. Se juntar só os que me responderam, Vitor, Samir e Rafael, já dá pra bancar. Ou vcs tem coisas mais importantes para bancar? Ou o VQ não é tão importante para vcs?

Que fique claro: Ninguém censurou vocês. Ninguém impediu vocês de nada. Parem de show, estão parecendo viadinhos mimados.

E você não foram condenados porra nenhuma, portanto não tem essa história que o Samir falou.

A única verdade é que vocês estão querendo aparecer de vítima, dizer que foram perseguidos, censurados.
Não foram nada e nunca serão e vocês sabem muito bem porque.

Parem de show, parecem crianças!

Bruno Oliviera - 24 8134-8514

Anônimo disse...

Além de babaca, este tal de bruno é preconceituoso e homofóbico. Fico triste por ele.

Samir Resende disse...

Bruno, vamos tentar explicar, mais uma vez:

A questão não é o valor do jornal em si. Entendo que para alguns 400 reais é "mesquinharia", mas não no meu caso, que tenho filho pra criar, dívidas a pagar e, ainda sim, com algum sacrifício, consigo contribuir com o Valença em Questão - que é longe de ser "o meu sonho". Sonho eu deixo pra hora de dormir e como diz o poeta: camarão que dorme a onda leva.

A questão neste caso é a TENTATIVA GROSSEIRA DE NOS INTIMIDAR COM UMA MULTA DE R$ 100.000,00, sabendo que publicamente a nossa enquete não se caracterizava uma pesquisa eleitoral. E com o agravante: toda a equipe de campanha do prefeito conhecia o jornal e seus colaboradores, podendo assim, ao sentirem-se prejudicados, tentar evitar a sua distribuição ou mesmo uma retratação da nossa parte, embora nós não estivéssemos "ilegais" como entendeu o Ministério Público. Para isto, bastava um telefone, um email ou um sinal de fumaça qualquer.

Como sabemos que a censura pela intimidação e a criminalização de quem tenta ter um pouco de autonomia é uma prática corriqueira de determinados grupos políticos atrasados - não só aqui em Valença - acreditamos que é nosso dever REPUDIAR DE MANEIRA EFUSIVA qualquer resquício desta opção autoritária no trato com a informação e a opinião divergente.

Espero que tenhas entendido agora, e desculpe se eu me excedi no calor deste debate.

Cordialmente, Samir.

Anônimo disse...

Não entendi o anônimo me chamar de homofóbico.

Samir,

O que eu entendi é que vocês são paranóicos. Assim como existem aqueles que acreditam que "qualquer coisinha" traz a possibilidade da revolução socialista, existem vocês que acham que "qualquer coisinha" é perseguição a vocês, que apenas pretendem fazer a revolução, é cômico.
Rapaz, se R$ 400,00 é considerado muito por vocês, significa várias coisas: que vocês não são uma "rede" porra nenhuma; que vocês não mobilizam ninguém (o que põe por terra essa teoria de perseguição de vocês); que vocês priorizam gastos com alcool, tabaco e entorpecentes e que são lunáticos e mentirosos.

Que fique claro:

1) Não houve nenhuma censura ao VQ;

2) Os argumentos sobre preço de Advogado e da impressão do jornal, não passam de falácias;

3) Vocês não foram condenados por nenhum setor da justiça;

4) Nunca houve determinação para que o VQ deixasse de circular;

5) Vocês criaram essa celeuma toda apenas porque acham que é legal essa história de perseguição, acham charmoso posar de revolucionário. São presos no tempo epor isso desenvolveram essa paranóia, essa mania persecutória. Isso se não existir interesses inconfessáveis.

Refaço meu conselho/pedido:

PAREM DE SHOW, DESÇAM DO PALCO.

Voltem a fazer o jornal com antes, continuem com as iniativas legais. Esqueçam essa palhaçada toda.
Toda essa mentira está pegando mal.
Estão parecendo aquele maluco do Metal que insiste em acreditar que o perseguem porque ele foi ao Vietnã.

Bom domingo e com inicio da caminha ao Tri do meu Flamengo.


Bruno Oliviera - 24 8134-8514

Fael disse...

Valeu Samir! Parabéns a todos nós e a São Paulo!

e, bruno, pare com essas falácias, tanto nós quanto vc sabemos que fomos processados e que fomos determinados a deixar de circular o jornal. Mas estamos de volta, firme e forte "e pros sacanas que queriam jogar nossas cabeças aos porcos, aí, tenta sorte"

Fael disse...

Só podia ser flamenguista...(tô brincando Bruno).

Anônimo disse...

além de homofóbico é burro!

Anônimo disse...

burro porque não sabe o que é homofóbico (Se é tão esperto como tenta parecer ser, vai no dicionário, meu caro, que não vou dizer aqui do que se trata); burro pq não entende, mesmo depois de várias explicações; ignorante, poque não sabe falar sem agredir.

E qual a lógica do telefone? Tá carente, precisando de que alguém te ligue?

Anônimo disse...

uma dúvida, Bruno, seu nome é Oliviera mesmo, ou sempre escreve Oliveira errado?

Anônimo disse...

Pô, Bruno, porque não contribui financeiramente com o jornal? Se acha que dividir quatrocentos reais por três pessoas (133 reais pra cada) por mês é mixaria, você bem que poderia contribuir. ainda mais agora que o jornal tá sem recursos... Fala menos e faz alguma coisa

Capilo disse...

Prezado Bruno,

confesso que me incomoda o tom de suas palavras. Sempre grosseiro. Vou tentar não ser influenciando na minha resposta.

Sim, sou filho de um advogado, o que não quer dizer que ele é especialista em Justiça Eleitoral. Mesmo que fosse ele o contratado, haveria a necessidade de paga-lo. Não é conseguindo favores de ninguém que o Valença em Questão chegou onde chegou. Ser meu pai não o coloca como "funcionário" do VQ. É justamente não devendo absolutamente nada a ninguém que o jornal tem a liberdade que tem.

O Chico, parceiro nosso, também contribuinte do jornal, poderia sim, e se propôs a ajudar. Como na vida, existem estratégias de defesa, que foram, nas 48 horas, trabalhadas e pensadas. A proposta do grupo foi contratar um advogado que tivesse experiência em Justiça Eleitoral.

Para que tome conhecimento, não estamos inventando nada. As coisas aconteceram. E ponto. Tivemos que desembolsar um dinheiro que não tínhamos, colocamos, como fazemos há quase quatro anos, dinheiro pessoal. Hoje o jornal, como sempre foi, se mantém de forma voluntária e sua impressão se dá com desconto na gráfica, poucos apoios (Miriam Lajes, Jopag e Sepe), contribuição de seus integrantes (maior parte) e de parceiros que se solidarizam com o movimento.

Fiquei curioso também para entender o que quer dizer quando diz que nunca seremos perseguidos e sabemos o porquê. Na verdade não sei o porque desse comentário, se puder explicar agradeço.

Não vou aqui colocar os motivos para nos consideramos censurados, porque já estão expostos em outros momentos, como por exemplo no texto que gerou esse comentário e em alguns comentários. Se não concorda, não adianta ficar reforçando uma idéia. A cabeça é sua.

Quando você fala "só quatrocentos reais" e nos chama de mesquinhos, poderia aqui pedir uma contribuição sua mensal, já que dinheiro pra você parece estar sobrando. Outra coisa é que o valor varia de acordo com o número de paginas. esta última edição fizemos com 16 páginas, mas tivemos que cortar quatro porque ficaria caro, mesmo com o desconto da gráfica. Fizemos com 12, e saiu o dobro dos 'mesquinhos' quatrocentos reais.

Explicando uma outra dúvida sua, sobre homofobia, é que em determinado comentário nos chamou de "viadinhos mimados". homofobia significa rejeição ou aversão a homossexuais e à homossexualidade, por isso os comentários que o chamam de homofóbico, contundentes.

Quando diz "isso se não existir interesses inconfessáveis", só posso rir, nada mais.

Melhor sorte ao seu Flamengo do que tem tido o meu Corinthians (que embora tenha voltado pra primeira divisão, no Paulistão está deixando a desejar).

Abs.
Vitor

Anônimo disse...

Vitor,
Por que você acha que a expressão "viadinho mimado" tem algo a ver com homosexualismo?
Já saiu sentença em relação ao processo? Nela constava censura?
Com certeza não. Talvez constasse o pedido de não circulação da edição com a enquete irregular, visando a manutenção do equlibrio eleitoral.
Não houve censura. Vocês estão apenas fazendo marketing com isso. E você sabe disto.
Meu nome é Oliviera mesmo, origem de erro cartorário, mas sou de familia "novos católicos", como muitos.
Quanto ao telefone é para não me esconder no manto do anônimato, como muitos fazem aqui.

Volto a dizer, NÃO HOUVE CENSURA!
Vocês é que estão montando esse picadeiro todo.
Peço que parem com as distorções.

SRN
Curinthia foi campeão da copinha.

Ah, respondendo a sua curiosidade, é porque nem cosquinha fazem e pertencem a mesma casta.

Bruno Oliviera - 24 8134-8514

Carlos Henrique disse...

"Por que você acha que a expressão "viadinho mimado" tem algo a ver com homosexualismo?"

primeiro, homoSSexualismo tem dois esses. segundo, viadinho, no que dá pra entender, é homossexual. daí a relação direta.

Luis Otávio disse...

esse cara é um comédia! Tá sendo pago por quem?

Letícia disse...

Bruno, o que me parece é que vc é que está querendo aparecer ao levantar essa polêmica toda.

Fomos sim, censurados, não só pela angústia de passar alguns meses sem saber se seríamos ou não condenados a pagar uma multa que, a nosso ver seria injusta, e totalmemte fora das nossas possibilidades (cerca de 100 mil!), como que fomos obrigados indiretamente a fazer parar de circular por 4 meses o jornal. (falta de $, e etc, etc...)

Além disso, a maior parte da edição em que surgiu toda a polêmica (VQ34), sobre as eleições, que estava excelente por sinal, também foi impedida, mais uma vez indiretamente, de circular na cidade por que ouvimos rumores de que estavam querendo nos processar por causa da enquete ilustrada na página do VQ. Achamos melhor retirar de circulação e aguardar a notificação, ainda sem saber se ela se realizaria.

Enfim, o que queremos dizer com censurados é que em função de um processo equivocado, tivemos nossas atividades prejudicadas e desestabilizadas por um tempo. Existem formas de censuras muito mais sutis do que aquela que vc deve estar se referindo. É essa censura indireta, de tentar desestabilizar o jornal que estamos nos referindo e lutando contra. Se alguém se incomodava com o VQ, se beneficiou deste tempo em que o jornal esteve ausente.

Mas como disse o Fael, estamos de volta firmes e fortes e os incomodados que se mudem!

Anônimo disse...

íh, mais censura? o tal de Victor Gomez tinha colocado matéria no blog dele sobre a entrega do jornal ontem e depois retirou do ar porque disse que foi colocou aqui que foi obrigado. Obrigado por quem? No mínimo estranho.

Patrícia Carvalho disse...

Nossssa, amei o jornal pessoal. Vcs estão certos de pôr a boca no trombone mesmo.

To adorando acompanhar a discussão aqui nos comentários, ainda mais que vi que o cel do Samir tá disponível...ops.

Anônimo disse...

O Valença em questão está de parabens, tem mesmo é que sentar o pau na putaiada, quebrar a mesa e derrubar o copo no chão. Chega de comissionados vagabundos e analfabetos, licitações ilicitas, empregos por oportunismo, malucos sem ser, reuniões secretas, famílias tradicionais gozando na cara e pobre fudido levando na bunda. Me da nojo ao adentrar o serviço público e ver a cara dos mesmos ladrões de sempre. Imaginem por um milesimo de fração de segundos a cara de rido e de deboche do governo passado a espreita roubando, falsificando,rindo e se vangloriando de funcionários que nos meses que se seguem à passar fome dentro de suas casas e vem essa besta quadrada desse Bruno bosta de não sei o que falar um monte de merda que nem sabe, pelo grau de intelectualidade está falando. Não dêem importancia ao que este imbecil está falando eu, com minha santa educação já teria o mandado tomar no rasgo do cú a muito tempo. Bruninho quantas mamadeiras você toma por dia? O papai faz o quê filhinho? Rouba ou trabalha! Qual é o ponto de comércio da mamãe ou ela atende em casa? O que você ganha é seu ou roubado dos outros que pouco têm. Bruno seu ridiculo, cara de bosta, pedante, bunda mole, esquisito. Esta cidade está uma merda por causa dos Bruninhos(que nomezinho de viado "Olivieira") que vivem por aqui.
O Valença em questão mais uma vez está de parabens, fiquem com Jesus e que ele os acompanhe. Não ia te entregar mas tenho pessoal do blog esse bruninho(no diminutivo) é por 30 anos irmão e filho da caixa registradora da prefeitura.
Peixotinho.

Anônimo disse...

O Bruno esculachou mesmo.
Botou a bunda deste povinho de fora.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Nada pode ser mais ridículo do essa edição do VQ. Como acharam que ninguém ia desmontar a farsa de mártires de vocês?

Boa Bruno!! Eu não te conheço e acho que esse peixotinho também não.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Luciane Barbosa disse...

Contribuindo para o debate:
Nós somos os incomodados, não eles..

Um brinde a nós e a eles*...

*porque eles são somente eles e nós não nos misturamos..

Os incomodados é que mudam!!

Saudações ao Movimento Valença em questão!!

Essa edição é o símbolo da Resistência!

Abraço a tod@S

Luciane Barbosa disse...

Para comemorar

à eles:

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar
(...)

Apesar de Você

Anônimo disse...

Li os dois tópicos e os vários comentários. E concordo com o Bruno. Vocês estão mesmo exagerando. Não houve nenhuma censura ou perseguição a vocês.
É compreensível a busca por reconhecimento, destaque. E entre os jovens, ainda mais. Afinal querem mostrar que não são meros viventes e o que pensam e falam são importantes e que seus argumentos estão prestes a abalar todos os pilares do sistema.
Mas, mesmo que não gostem, é preciso encarar a realidade. O Coligação Valença de Cara Nova entrou com a ação judicial tão somente porque o resultado da enquête poderia influenciar seus eleitores, e há regras para esse tipo de divulgação no Código Eleitoral. Esse, e tão somente esse, era o interesse da Coligação Valença de Cara Nova.
Todo resto, é imaginação de Vocês. Abaixo um texto que pode ser útil para que vocês compreendam o que tem acontecido com vocês.
Boa Leitura.

A paranóia é considerada uma doença psiquiátrica cuja característica central é um delírio (ideias falsas) bem organizado?! E geralmente com teor repetitivo. As ideias falsas persistem no tempo e são contraditórias às evidências da realidade, mas que não desorganizam completamente a personalidade e o funcionamento do indivíduo como na esquizofrenia. A paranóia também designa a mania da perseguição.
O tipo mais comum destes distúrbios mentais é o delírio paranóide em que o indivíduo se sente especialmente perseguido e ameaçado por outros – a terrível mania da perseguição que consome e destrói.
No paranóico um sistema delirante amplo e desfasado da realidade pode coincidir com áreas bem conservadas da personalidade, e do funcionamento social do sujeito, o que origina uma repercussão paranóica no funcionamento geral do indivíduo muito variável. O comportamento é bizarro e depende do âmbito mais ou menos restrito do sistema delirante, pois a atitude comportamental na sua generalidade é coerente com as suas convicções e suspeitas; por exemplo quando o delírio está ampliado abrangendo todos os familiares e colegas de trabalho, gerando-se no paranóico um conflito em que considera na generalidade que todos os indivíduos que o cercam o pretendem prejudicar, as suas atitudes de defesa ou de vingança tornam-se tão inadequadas e de extrema gravidade que conduzem a situações de extremas e graves deformações pessoais que podem prejudicar a sociedade que o cerca. Portanto no delírio paranóide o indivíduo sente-se perseguido e ameaçado por outros.
Há também a considerar a Paranóia Partilhada, o delírio é partilhado por um grupo de pessoas. Trata-se geralmente de um lider no qual um elemento dominante com distúrbio paranóide, incute e influência mentalmente as suas falsas crenças nos companheiros mais fracos, passivos e sugestionáveis.
Os paranóicos raramente se vêem a si próprios como doentes e normalmente só aceitam tratar-se por convencimento insistente de parentes ou amigos. Não se consideram doentes e não se querem tratar. A pessoa não tem consciência do seu próprio estado, da sua própria enfermidade.

Delírio – Ideia fixa, obsessão irracional, uma atitude inabalável mas falsa, errada, não compartilhada por outras pessoas a funcionar dentro da normalidade mental, do mesmo meio, da mesma cultura, e não cede a qualquer argumentação lógica. No delírio paranóide, o mais frequente, as ideias delirantes têm conteúdos de perseguição, especialmente vindo dos que estão mais em contacto. Uma pessoa com delírio de megalomania acredita e tem delírios imaginativos de ter o que ambiciona, numa ansiosa credibilidade que é uma realidade absoluta para ele, mesmo que seja impossível. Se as ideias delirantes obsessivas persistem são um sinal de doença mental grave, muitas vezes crónica, como a esquizofrenia.

Anônimo disse...

Decepção ou Decadência.
Aviso aos navegantes que antes de tomar uma decisão, pense duas vezes, analize todas as possibilidades, consulte os amigos. Uma vez tomada a decisão faça exatamente o contrário ou, em última hipótese, aquilo mesmo que decidiu. Tudo é ocasional. Acredito que decisão rápida é a nossa capacidade de fazer besteira imediatamente. E imaginar que um dia eu fui a ambição de minha mãe. Apenas comer, trepar e dormir, de vez em quano assistir a uma guerrinha sangrenta, com uma ou duas pequenas bombinhas atômicas, suportar a glorificação de alguns idiotas que chutam uma bola entre dois paus enquanto milhares de outros idiotas uivam desvairadamente, ler uma grande poesia que nem chega a satisfazer a minha alma, contemplar um pôr-de-sol fulgurante precedento uma aurora concorrente, olha, tudo isso é muito pouco para mim. Não foi essa a cidade que me prometeram quando me convidaram pra vir aqui. A não ser que na minha modéstia, eu não tenha percebido que eu é que sou o espetáculo. Mas me consolo que maior que a minha decepção foi a do pobre diabo que ao saber do menu comprou garfo e faca.
No auge da decisão me dêem uma bifurcação que eu sigo os dois caminhos. Vamos lá decide qual você prefere: o capitalismo selvagem ou o socialismo hipócrita?
Nos momentos mais difíceis da vida quando você sente que nada têm mais sentido, que você, individualmente, está afundando, não há mais a mínima possibilidade de salvação ou de saída, é aí que você deve apelar pra todas as suas forças, erguer a cabeça orgulhosamente e gritar bem alto, com sua voz mais possante e mais segura, pra que Valença inteira\ o escute:"Socooooooorrrrrrooo!"
É realmente minha maior decepção comigo mesmo foi no dia em que descobri que também estava sujeito à condição humana. Ser surdo é terrível. Eu preferia ser imbecil só. Minha cidade é realmente muito luxuosa. O serviço é que é pessimo.
JRN.

Anônimo disse...

isso aê
democracia tirando a cara, é mole......