domingo, 9 de maio de 2010

O pai, o professor e a direção: a escola hoje parte 2


Está é uma história ficcional. Ela foi dividida em 4 partes. As semelhanças com a vida real não passam de meras coincidências.

Veja o capítulo 1 clicando aqui

Parte 2: Você prefere Mastercard ou Credicard?

A direção: Bom dia! O que podemos ajudar?

O otimista: Eu visitei a escola e fiquei impressionado com a modernização. Fui falar com o meu filho e ele me disse que todas as inovações não estão funcionando. O meu amigo aqui deu a idéia de ouvir a explicação da direção.

A direção: Fez muito bem o seu amigo cético. Se todos os pais se preocupassem como você a educação melhoraria e muito. Há estudos que comprovam que o ambiente em que se dá o ensino tem relevância para o aprendizado do aluno A questão é que falta muito pouco para que tudo funcione. O problema do ar condicionado é apenas uma questão técnica. Eles já estão aqui e já estão nas salas.

O otimista: O meu filho disse também que alugaram o ar condicionado. A escola está pagando aluguel de uma coisa que não funciona?

A direção: Não. A escola não gasta nenhum centavo com o aluguel do ar condicionado. Quem paga é a secretaria de educação.

O otimista: que bom. A escola não pode desperdiçar o dinheiro.

A direção: Com certeza. Fique despreocupado. O seu filho está recebendo uma educação de qualidade.

O cético (tentando ajudar o amigo otimista): Acho que já solucionamos nossas dúvidas. Vamos embora meu amigo?

O otimista: Eh..... mas..... Sim. Muito obrigado pelas respostas. Já estava preocupado com a educação do meu filho.

A direção: Voltem sempre. Se quiserem, tem um cafezinho na sala dos professores.

Nossos dois heróis, seguidores da Lei de Gérson, resolvem comer biscoitos e um café na sala dos professores. E continuam a conversa:

O otimista: Nossa, e eu aqui pensando besteira. Como a direção é bem educada.

O cético: Sim. Tanta educação que deve ter alguma coisa errada. Você já atendeu ligação de atendente oferecendo cartão de crédito?

O Otimista: Nem me fale!Toda semana uma mulher, a única que me liga, está oferecendo um cartão. A atendente é sempre educada e nunca altera a sua voz.

O cético: Tal como a direção....

O Otimista: (risos) Mas você não perde a oportunidade, né?

O cético: É o que me mantém vivo. Mas, veja bem, você acredita em tudo que a atendente fala sobre o cartão de crédito?

O otimista: Claro que não. Eu sei que a função dela é vender cartão. Vale tudo.

O cético: Qual é a função da direção da escola?

O otimista: Zelar pela qualidade do ensino e o bom andamento da escola, não é?

O cético: Não sei.... Veremos agora.

Nossos amigos continuavam a conversar até que o cético se familiarizou com um professor que estava de horário vago. O professor era magro e alto: um daqueles tipos que chama a atenção pelo fato de ser exótico. Ele vestia uma camisa dos Beatles e estava deixando crescer a barba.

7 comentários:

Samir Resende disse...

Aposto que era professor de história, rsrs

Lisérgio Virabossa disse...

Exótico???????????????

Só faltava essa!!!!!

Antes, era marxista...
Depois, passou a ser niilista desbundado...
Agora, é exótico.

Anônimo disse...

Ave Xandre! A estória está caminhando bem... mas afinal: qualquer coincidência é semelhança?Que venham os pxmos capítulos.. ehehe

Anônimo disse...

A depender de quem fala - ou escreve -, não há coincidências...

Anônimo disse...

NÃO PUBLIQUEM POR FAVOR:

Vcs deveriam buscar o auto de prisão em flagrante do vereador Naldo.
Pq ninguem fala com quem ele foi preso?
A pessoa é conhecida na cidade. Qual o passado desse seu comparsa na hora de prisão???
A prisão não foi só por causa dos tiros na rua.
A prisão envolve ameaça com arma de fogo a um cidadão.
Os tiros na rua foram num local, a prisão foi em outra.
Pq ninguém fala isso???
Pq ninguem pediu a cassação dele por quebra de decoro?????
Vcs deveriam fazer a mesma pressão q fizeram no caso da pensão da viuva para esse caso.
É medo????

Samir Resende disse...

Putz! O cara acima posta anônimo e vem falar que o MEDO é nosso?

E por que VOCÊ não faz esta pressão, anônimo?? Não somos salvadores da pátria, todo mundo sabe o que aconteceu, isto tudo que vc falou foi publicado pela edição do Jornal Local.

Se eu tiver um tempo nas minhas obrigações, quem sabe eu não engrosse esta campanha do FORA NALDO, embora eu duvide que a Câmara de Valença tenha CULHÃO para cassá-lo. Por enquanto, que tal VOCÊ fazer esta campanha.

Cordialmente,

Anônimo disse...

Escreveu o que eu pretendia escrever. Respondeu o que eu pretendia responder: por que ele não faz o que entende caber a outro fazê-lo? Aqui, nesse blog, não me parece faltar culhão. A avertura de quebra de decoro só vai ser possível quando o vereador retonar, penso. Ai, independe dele ter sido ou não condenado formalmente. Nesse caso, devemos todos pedir à Câmara que tenha culhão para fazê-lo. Adiante-se pois, caro anônimo: comece a puxar o cordão! Ademais, você sabe de detalhes que ninguém sabe - podia mesmo se apresentar como uma teste,unha valiosa. E de quebra seria erigido, em sua homenagem, uma estátua na qual seria incensado como o libertador perpétuo de Barão de Juparanã. Valença agradece.