quarta-feira, 18 de agosto de 2010

E a festa acabou..

Mas o frio continua intenso. O mesmo frio que faz a menina ter a preocupação de comprar um cachecol que combine com a sua roupa. Do menino que reclama do frio que o obriga a esconder o braço malhado na academia. Que é criticado pelo comerciante dizendo que a baixa temperatura espanta as pessoas do seu comércio.

Mas alguém está preocupado com o frio que passa o morador de rua? Passei a festa ouvindo diferentes respostas para o frio da menina, do menino e do comerciante. No entanto, o frio do morador de rua foi, e está sendo, um silêncio.

Um comentário:

Fernando Pessoa disse...

Boa Sanger... "e quando acabar o maluco sou eu"!