quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Campanha Chico Lima: seja um multiplicador de votos


Ps: O blog do Valença em Questão recebeu um comentário de uma pessoa dizendo que queria votar em Chico Lima para prefeito. No entanto, o autor do comentário não queria que o Fernandinho Graça ganhasse as eleições. O anônimo queria usar a estratégia do votar no "menos pior" para impedir a subida de um Graça no poder. Ele me perguntou quais seriam as minhas razões para votar no Chico Lima e não me arrepender depois. A minha resposta segue embaixo.

O primeiro ponto é pensarmos no começo. O começo é sempre difícil e incerto. Muitas vezes, a mudança traz a insegurança. Vai que nos mudamos e a situação, ao invés de melhorar, piora?


A situação de Valença hoje exige uma mudança na política. Imagine um candidato que reune em torno de sua imagem grande figuras da cultura valenciana. Nenhum deles ganhou cachê para dar o seu apóio. São todos trabalhadores valencianos e nenhum é funcionário fantasma.


Imagine agora um governo em que a corrupção seja denunciada. Que todos os contratos irregulares da prefeitura, as licitações com valores acima do preço praticado sejam divulgados e os seu autores respondam perante à justiça. Imagine aquele funcionário fantasma que se vangloria no bar dizendo que recebe 3 salários sem trabalhar sendo demitido.

É difícil? Com certeza, muito difícil. No entanto, existem certas coisas na vida pelas quais valem a pena vencer a dificuldade. Valença está no fundo poço. Os nossos políticos não conseguem nem mais se manter 4 anos no poder.

Para além de Fernandinho Graça e Álvaro Cabral, existem grupos políticos que vem se enriquecendo a custa do subdesenvolvimento valenciano. Agora mesmo eles estão despejando rios de dinheiro nas campanhas políticas. Para estes grupos, não há diferença entre Graça e Cabral, o que existe é o poder político. Usar o poder político para se beneficiar. A escola de baixa qualidade e a saúde precarizada são o resultado da maneira como a política é feita em Valença.


Estes grupos se justificam dizendo que a população, por ser, na opinião deles, burra e ignorante merecem os políticos que tem.


É chegada a hora da população valenciana tomar partido e demonstrar que não aguenta mais a tamanha esculhambação que se tornou o nosso município. Lembram-se da pensão da viúva? Não é hora de escolhemos o menos pior. Não há por que se arrepender por querer ética na política. Por querer que a verba da educação seja toda colocada na educação e a mesma coisa com a saúde. Não é hora de escolhemos o fantoche. Está na hora de nós tornamos sujeitos de nossa própria história. Temos que mudar o nosso jeito de fazer política pelo nosso bem e pelo bem das novas gerações de valencianos.


A campanha de Chico Lima é contra tais grupos. Nos programas de rádio, estamos divulgando as nossas ideías sobre educação, saúde, desenvolvimento, turismo e cultura. No entanto, a principal idéia: lutar para mudar. A campanha de Chico Lima não é o fim, é o começo. Existem pessoas na cidade que querem mudar. Mais do que isso, tem capacidade para mudar. Pedimos o seu apoio. Se você acredita na mudança, convença seus amigos, sua família. O nosso futuro agradece.


Pão, poesia e luta!!!!!!!!!!!!!


Ps: O jornal Local de hoje publicou uma entrevista com Chico Lima. Bastante recomendado a sua leitura.


14 comentários:

Anônimo disse...

ou Fernandinho Graça, candidato a prefeito de Valença na eleição municipal suplementar do dia 03 de outubro pelo partido Progressista (PP), número 11. Depois de eleito vereador e ocupado o cargo de Presidente da Câmara estou, interinamente, há dois meses, como Prefeito do Município e quero continuar administrando Valença, pelos próximos dois anos, sendo eleito por você.

http://fernandinhograca2010.blogspot.com/

Fael disse...

Muito bom o post Sanger, é preciso esclarecer às pessoas que não vale a pena votar no menos pior. Pois muita gente votou no Vicente Guedes na última eleição para se livrar da turma do Picciani e depois que ele foi eleito, lá estava o Picciani tomando conta da prefeitura. Quando se trata de políticos que buscam apoios de pessoas que sempre foram terríveis para Valença, nós nunca temos um menos pior, apenas péssimos.

Crítico disse...

Sanger, eu não concordo nem um pouco no método que o blog está tratando política em Valença. Um veículo formador de opinião não poderia se pronunciar sobre o apoio a tal candidato e sim, mostrar aos eleitores o trabalho de cada um, deixando aos leitores a decisão de quem votar. Pra mim, o blog está se direcionando para uma direção contrária aos princípios da ética.

Sanger/Regnas disse...

Crítico. Se você procurar nas postagens do Valença em Questão observará que existem postagens contra a candidatura do Chico Lima. Se olhar os comentários, idem.

Cobrar imparcialidade do Valença em Questão é um equívoco, na minha opinião. Eu já formei a minha opinião e utilizo as postagens para defendê-la. Você tem todo o direito de usar os comentários para critica-la.

Abraços

Fael disse...

Se você acha que algum veículo formador de opinião é imparcial, você é um ingênuo. A diferença do Valença em Questão para alguns veículos é que nós somos transparentes, deixando claro o nosso posicionamento, sem tentar ludibriar o leitor.

Anônimo disse...

Sanger,

Muito obrigado pela resposta (nem pensava que iria criar o post só para respondê-la... rs). Concordo com o que você escreveu.

Mas o que me incomoda é a legislação em Valença, por não ter segundo turno. Sinceramente se olharmos, a disputa esta polarizada entre o Álvaro e o Fernandinho. Principalmente pela questão financeira e também pela demora do PSOL em resolver lançar um candidato (talvez se o partido estivesse mais coeso internamente e com a idéia de lançar um candidato a mais tempo, a campanha do Chico hoje estaria em outro patamar)

Acredito que o meu voto no Chico pode sim fazer a diferença para um dos dois (Álvaro e Fernandinho) no final. Se tivesse segundo turno votaria com mais tranqüilidade no Chico 50, porque saberia que se ele não fosse para o segundo turno poderia votar novamente.
Só por esse motivo ainda não defini meu voto para o Chico Lima. Quem sabe até o dia 3 de outubro não mude.

Saudações!

Ps: Sugiro a você postar esses vídeos que estão rolando no youtube com o próprio Chico falando :
http://www.youtube.com/user/FranciscoLima50#p/a/u/2/CEQ5eR6AFEY

http://www.youtube.com/user/FranciscoLima50#p/a/u/1/qq_RSWEVNkg

http://www.youtube.com/user/FranciscoLima50#p/a/u/0/q1UgRwhJ9kw

Anônimo disse...

E aí Danilinho, nos convenceu de "abortar" a candidatura do Chico enquanto essa candidatura não nos apresentar um projeto de mudança. Com o aparecimento desses apoios você não mais se manifestou, por que? Mudou de idéia ou desistiu de debater aqui?

Apesar de eu achar que você tem um discurso meio complicado, pela teoria e quem não tem sua leitura nem sempre compreende.


Eu voto nulo, não voto no Chico. Até me apresentarem um programa.

Anônimo disse...

Eu voto nulo, não voto no Chico. Até me apresentarem um programa.[2]

Anônimo disse...

Segue um trecho do post que acho fundamental: "A campanha de Chico Lima não é o fim, é o começo. Existem pessoas na cidade que querem mudar. Mais do que isso, tem capacidade para mudar."
Pelo que sei (me corrijam se estiver errado) o PSOL é uma dissidência do PT e do PSTU. O Partido não esta coeso em Valença. Pelo menos diante de alguns comentários postados. O que fazer ? Fundar outro Partido em Valença ?...o PSOL Valença... PSOL 2...sei lá. A concorrência agradece. Na pratica o que sei é o seguinte: Faltam 23 dias para as eleições (hoje esta escrito ao alto, no lado esquerdo do site do Marcelo Freixo.) que como deputado eleito sabe da importância do voto para prosseguir. Voto este de cada cidadão, militante ou não, filiado ou não. Aliás, uma das maiores vitórias de um partido político é conquistar votos em outra corrente. Deixo aqui uma sugestão. Publiquem a agenda de campanha do Chico Lima. E não votem nulo. Talvez as eleições municipais estejam realmente polarizadas...porém, se houver agora uma demonstração de força ( E FORÇA É VOTO)...daqui a dois anos...

Ps: Eu li a entrevista do Jornal Local.

Danilinho Serafim disse...

Bem, não revi minha posição. Continuo achando a candidatura do PSOL uma candidatura afundada no personalismo e na burocracia de uma campanha sem um programa para apresentar os trabalhadores e trabalhadoras da cidade.

Não estou mais comentando pela falta de tempo, por ter lido alguns comentários que de certa forma me contemplaram – como o do Edgar, da Ana e do Samir, exceto a declaração de voto que Samir fez - e, principalmente, porquê essa campanha não saiu do papel é uma campanha só de internet, que não saiu às ruas e nem conquistou corações e mentes para a luta.

A única diferença para as candidaturas da ordem política vigente é o personagem e o partido da candidatura, e isso, pra mim, é insuficiente. Tem que se ter um programa para apresentar a sociedade e também para marcar as diferenças dessa candidatura para outras, isso se houver diferença, já que por enquanto não podemos avaliar, pois nenhuma das candidaturas tem um programa para que nós possamos compará-las.

Com relação aos apoios os únicos que apóiam a candidatura do Psol que eu reconheço como militantes da esquerda socialista são o Pabeto e o Gilson, os demais compõem a ala progressista da pequena burguesia esclarecida que vota no Freixo e no Chico, mas vota também no Gabeira, na Marina e na Dilma ou que só ocupa espaço de militância virtual. Os entusiastas anônimos que aparecem no blogue com nomes enormes e profissão bem definida, obviamente, são os próprios “militantes” da campanha que moderam esse blogue e fazem parte do VQ. Inclusive, esse Carlos Henrique, é um membro do VQ que em outro momento assumiu que recorria dessa prática.

Essa campanha tem se mostrado incapaz, também, de mobilizar massa. Um exemplo claro foi o 7 de setembro que é um dia simbólico para a luta, onde diversas cidades constroem um ato chamado “Grito dos Excluídos” – eu participei aqui no Rio e vi, que além dos movimentos sociais, os partidos da esquerda (Psol, PSTU, PCB e PCO) se fizeram presente – passou em branco em Valença. A candidatura junto aos movimentos, que ela diz representar, não se organizou em ato político e, mais uma vez, deixou de apresentar a cidade uma candidatura, um programa e a base militante que sustenta essa candidatura.

No mais, vou seguir os conselhos que tenho recebido que é deixar que esses caras se enforquem com a própria corda. E vamos ver o resultado das urnas, e o mais importante se a partir dessa candidatura vai ter força e capacidade de estruturar o partido formulando um programa pra cidade e atraindo militante – agregando todos os que declaram apoio - ou o partido vai voltar ao ostracismo e ao limbo em que se encontra. Eu sinceramente não acredito, devido ao espaço de não formação que são as eleições na democracia burguesa.

Ah, e sem um programa de força transformadora continuo votando nulo.

Anônimo disse...

Sanger/Regnas, meu filhho, em que rádio por favor vocês estão divulgando as "idéias" que tem pra "mudar" Valença? Gostaria de ouvi-los. Estou curioso. Só espero que seja algo mais razoável que essa "idéia" de bolsa júnior pra educação. Como profissional do ensino, me senti envergonhado em ler aqui sobre isso. Bolsa júnior como fomento à pesquisa no ensino fundamental da rede municipal? Sinceramente, vocês podem ser inteligentes e criativos, mas não me parece que entendam alguma coisa de sala de aula, como pensar em ser professor “e” pesquisador na rede municipal de ensino e ainda mais, incutir no aluno esse “despertar” para a pesquisa, sem a estrutura mínima pra trabalhar: não temos bibliotecas atualizadas, não temos laboratórios, salário digno, temos que quase mendigar pra conseguir receber o bendito triênio, VT, isso tudo depois de anos e anos sendo desrespeitado, sem ânimo e sem recurso para pagar uma pós-graduação. Como eu e meus colegas há duas décadas ou mais trabalhando em sala de aula vamos concorrer com vocês, rapazes e moças que se tornam doutores antes dos 30?

Anônimo disse...

Podem dizer o que for, e coisa e tal, mas quem sempre quis e vai levar é o Álvaro Cabral.

Sanger/Regnas disse...

Anônimo. Já gravamos programas para a educação, cultura e turismo e política, trabalho e renda. Se o senhor não está conseguindo assisti-los, colocaremos o programas aqui no blog.

Não entendi o motivo do senhor ficar envergonhado. A bolsa de iniciação científica é uma realidade nos colégios de aplicação das universidades públicas.

Desenvolver um projeto para a cidade de Valença não é impossível. Pelo contrário, a bolsa de iniciação científica seria uma política pública que atenderia tanto o campo da educação, do turismo, da cultura e da assistência social.

Imagine um menino de uma periferia em Valença que tivesse um talento de rimar ao som do Hip Hop. Imagine ele, como bolsista de música, potencializando suas habilidades. Imagine ele, no ensino fundamental, se tornando a referência da família tanto no aspecto material, como também do campo simbólico.

Eu também sou professor. Já fui da rede municipal e estou na rede estadual. Concordo com o quadro feito por você: falta as condições para um trabalho de qualidade do profissional da educação.

No entanto, o senhor há de concordar, que isso não foi um desvio de rota. A precarização da educação e da saúde é uma política da classe política valenciana como forma de produzir um eleitorado a mercê desses grupos. Os filhos desses grupos estão em escolas particulares e possuem plano de saúde privado. Qunado falamos que não tem como, estamos atestando que esses grupos venceram a disputa e o ensino fundamental municipal sempre será deficiente.

No entanto, para além de toda a precariedade do ensino, eu já encontrei jovens talentos. Crianças que gostavam de escrever, de desenhar, que interpretavam os meus trejeitos com muita perfeição. Temos que valorizar os talentos que estão nas periferias de nossa cidade. A bolsa de iniciação científica junior é o começo desse processo.

Não sou adversário dos professores mais experientes. No entanto, acho que somente a tradicional "aula expositiva" não garante o aprendizado dos alunos. Valença hoje possui uma geração de jovens professores. Temos o talento necessário para fazer "dar certo" o projeto.

Pedimos o apoio dos professores mais experientes. Não estamos contra nenhum professor, só queremos tentar mudar o quadro da educação valenciana.

Anônimo disse...

Esperem e verão. A esquerda será acachapada e a direita também! Vai dar Dilma e ela vai eleger a maioria parlamentar e mais, candidatos desse baí como o chico a prefeito não tem base e nem apoio, não aparece.Diferente do Joaozinho esse sim um anticandidato! É Joaozinho na cabeça!