terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Brasil é reprovado, de novo, em matemática e leitura

Retirado do site da Folha
ANTÔNIO GOIS
da Folha de S.Paulo, no Rio
ANGELA PINHO da Folha de S.Paulo, em Brasília

A péssima posição do Brasil no ranking de aprendizado em ciências se repetiu nas provas de matemática e leitura. Os resultados do Pisa (sigla, em inglês, para Programa Internacional de Avaliação de Alunos), divulgados ontem pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), mostram que os alunos brasileiros obtiveram em 2006 médias que os colocam na 53ª posição em matemática (entre 57 países) e na 48ª em leitura (entre 56).

O objetivo do Pisa é comparar o desempenho dos países na educação. Para isso, são aplicados de três em três anos testes a alunos de 15 anos em nações que participam do programa. O ranking de ciências, divulgado na semana passada, colocava o Brasil na 52ª posição.

Além de estarem entre os piores nas três provas nessa lista de países, a maioria dos estudantes brasileiros atinge, no máximo, o menor nível de aprendizado nas disciplinas.

O pior resultado aparece em matemática. Numa escala que vai até seis, 73% dos brasileiros estão situados no nível um ou abaixo disso. Significa, por exemplo, que só conseguem responder questões com contextos familiares e perguntas definidas de forma clara.

Em leitura, 56% dos jovens estão apenas no nível um ou abaixo dele. Na escala, que vai até cinco nessa prova, significa que são capazes apenas de localizar informações explícitas no texto e fazer conexões simples.

Em ciências, 61% tiveram desempenho que os colocam abaixo ou somente no nível um de uma escala que vai até seis. Isso significa que seu conhecimento científico é limitado e aplicado somente a poucas situações familiares.

Nos três casos, a proporção de alunos nos níveis mais baixos é muito maior do que a média da OCDE, que congrega, em sua maioria, países ricos.

Comparando o desempenho do Brasil no exame 2003 (que já era ruim) com o de 2006, as notas pioraram em leitura, ficaram estáveis em ciências e melhoraram em matemática.

Uma melhoria insuficiente, porém, para tirar o país das últimas posições, já que foi em matemática que o país se saiu pior em 2006, com médias superiores apenas às de Quirguistão, Qatar e Tunísia e semelhantes às da Colômbia.

Como há uma margem de erro para cada país, a colocação brasileira pode variar da 53ª, no melhor cenário, para a 55ª, no pior. O mesmo ocorre para as provas de leitura e ciências. No de leitura, varia da 46ª à 51ª. Em ciência, da 50ª à 54ª.

A secretária de Educação do governo José Serra (PSDB-SP), Maria Helena de Castro, diz que o resultado em leitura é lamentável. "Essa é uma macrocompetência, básica para que os alunos desenvolvam as outras, como matemática, raciocínio crítico." Nos exames, São Paulo ficou abaixo da média nacional nas três áreas avaliadas.

Suely Druck, da Sociedade Brasileira de Matemática, diz que, em geral, os alunos de outros países, assim como os do Brasil, tiveram desempenho pior em matemática na comparação com as outras disciplinas.

"A matemática se distingue das outras porque desde cedo a criança já tem que ter conhecimento teórico e é um aprendizado seqüencial, ou seja, antes de aprender a multiplicar, tem que saber somar." Por isso, defende que se exija um conteúdo mínimo em matemática para o professor dos primeiros anos do ensino fundamental, quando todas as matérias são ainda ensinadas pela mesma pessoa.

O Pisa permite também comparar meninos e meninas. Em matemática e ciências, no Brasil, eles se saíram melhor. Em leitura, elas foram melhor.

4 comentários:

Giovanni Nogueira disse...

...mudar a forma de ensino, pagar melhor os professores, e lógico melhor educação dos pais - o ponto essencial e inicial de todo o problema. Entramos em um ciclo de "aculturamento". Pais sem educação não tem estrutura para dar educação a seus filhos e por aí vai... A gente podia fazer uma entrevista com o Iure né?! Abraços, Giovanni Nogueira.....

Lucas Silveira disse...

Por todo o respeito e admiração que tenho pelo Movimento, uma matéria tirada da Folha é altamente tendenciosa.
Acho que deveriam buscar outras fontes, tratando do mesmo tema.
Entre os 65 países, o Brasil foi o terceiro que mais evoluiu na última década, ultrapassando as metas estabelecidas para o país.
O relatório da pesquisa, inclusive, é muito contundente com relação a isso.
Ainda estamos muito longe. Mas demos muitos passos nos últimos anos - e reconhecer isso é fazer justiça com quem realmente merece...

Sanger/Regnas disse...

Olá Lucas! É muito bem vinda a sua crítica. Eu fui o responsável pela cópia do site da folha. Postarei a notícia do resultado brasileiro dada pelo portal do mec.

Felipe disse...

Venhamos e convenhamos, notícia d Folha de São Paulo? É no mínimo preocupante.