quinta-feira, 31 de março de 2011

Terminou há pouco a marcha em defesa da educação do RJ com mais de 2.000 participantes. Escolas estaduais param novamente no dia 12/4


Terminou há pouco a marcha em defesa da educação realizada pelo Sepe. Milhares de professores, alunos e manifestantes de diversas categorias realizaram uma passeata da Candelária à Cinelândia, parando em pontos estratégicos, onde diretores do Sepe, representantes de estudantes, líderes partidários e de entidades, além de parlamentares defenderam a educação pública, reajuste salarial para a categoria, o fim da privatização e que 10% do PIB nacional sejam utilizados no setor.

A marcha transcorreu sem nenhum incidente, bastante colorida, com centenas de faixas  e balões na defesa do ensino público. Nesse momento, na Cinelândia, ocorre a assembleia unificada da rede estadual e da rede municipal do Rio, que hoje paralisaram as atividades por 24 horas. Os profissionais de educação vão decidir os rumos do movimento.

Na passeata, foi lembrada a prisão dos 13 manifestantes contra a vinda de Obama ao Brasil - hoje, às 19h, haverá um ato público a favor dos manifestantes na Faculdade Nacional de Direito. A manifestação pediu o passe livre nacional, mais verbas para as escolas públicas e um piso nacional digno para os professores.

A rede estadual reinvindica reajuste emergencial de 26% e a incorporação imediata e integral da gratificação do Programa Nova Escola (cujo término, estipulado pelo governador Sérgio Cabral, só se dará em 2015). A categoria também reivindica a inclusão dos funcionários de apoio no plano de carreira e paridade para os aposentados da educação. O índice de 26% reivindicado é resultante de parte das perdas salariais entre 2009 e 2010.

O Sepe, reiteradamente, tem tentado buscar a via da negociação com as autoridades estaduais, mas, desde o início do ano, não tem tido resposta do governador aos pedidos de audiência. A última audiência com o secretário de Educação Wilson Risolia foi realizada no início de janeiro, quando ele convocou o sindicato para fazer uma apresentação do seu Plano de Metas e não discutiu as reivindicações da categoria.

A rede municipal do Rio reivindica reajuste de 21% e o fim da iniciativas do prefeito Eduardo Paes e da secretária municipal de Educação Cláudia Costin de abrir as portas das escolas para entidades e organizações do setor privado, como Fundações e ONGs. Em 2010, o prefeito Paes chegou a ser condenado pela Justiça Federal por manter uma política de não aplicar os 25% da arrecadação municipal no setor, o que faz com que a categoria tenha que trabalhar em escolas com superlotação de alunos e falta de equipamentos e pessoal. Hoje, a rede municipal tem carência de mais de 10 mil professores e 12 mil funcionários, como merendeiras, agentes administrativos, pessoal de portaria e inspetores de alunos.

Amigos de blogueiro baleado fazem manifestação em Copacabana (Matéria Portal G1)


Protesto pela liberdade de expressão aconteceu perto do local do crime. Ricardo Gama foi atingido por quatro tiros na cabeça, no peito e no braço.

Protesto pela liberdade de expressão aconteceu perto do local do crime (Foto: Rodrigo Vianna / G1)Protesto pela liberdade de expressão aconteceu perto do local do crime. No centro da foto está o advogado valenciano, Dr. João Ricardo Freitas que participou do movimento (Foto: Rodrigo Vianna / G1)



Uma semana após o blogueiro Ricardo Gama ter sido baleado em Copacabana, na Zona Sul do Rio, amigos e internautas fizeram uma manifestação na noite desta quarta-feira (30) no mesmo bairro. Cerca de 30 pessoas lembraram o crime e protestaram pela liberdade de expressão. O ato aconteceu por volta das 19h na praça do bairro Peixoto.

Na quarta-feira (23), Ricardo foi atingido perto da Rua Santa Clara por quatro tiros: dois na cabeça, um no peito e um no braço. Ele foi socorrido por moradores. Segundo testemunhas, os disparos foram feitos por um homem que passou num carro. Ele deixou a UTI neurológica do Hospital Copa D’Or nesta manhã e se recupera no quarto. Ainda não há previsão de alta.

Uma faixa no meio da praça trazia o nome do movimento “N@o toquem nos blogueiros”, criado por blogueiros e amigos de Ricardo Gama. Para Fernando Peregrino, secretário geral do Partido da República (PR), Ricardo foi vítima de um atentado, já que o amigo mantém uma página na internet onde costuma fazer diversos tipos de críticas aos problemas da cidade.

“O que fizeram contra o Ricardo foi um atentado contra a liberdade de expressão. Eles queriam calar o Ricardo, mas felizmente não conseguiram. Foi uma tentativa de acabar com o direito civil de falar e de se expressar. Mas não vamos nos calar. O movimento foi criado para cobrar as instituições e alertar para que crimes como este não se repitam”, disse Peregrino.
Após crime, blogueiros criaram movimento para alertar a sociedade (Foto: Rodrigo Vianna / G1) 
Após crime, blogueiros criaram movimento para
alertar a sociedade (Foto: Rodrigo Vianna / G1)

O presidente do movimento Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, também acompanhou a manifestação e disse que apoia qualquer tipo de ato contra a violência. O Rio de Paz é formado por cidadãos de todos os segmentos da sociedade interessados na defesa dos direitos humanos.

“Concordamos com a maneira como o Ricardo usa para manifestar as suas ideias. Ele luta contra a violência e de repente ele perdeu esse direito de se expressar. Não podemos deixar acontecer um colapso na sociedade”, disse.

Policiais do 19º BPM (Copacabana) reforçaram a segurança durante o protesto, que ocorreu de maneira pacífica. O grupo se concentrou em frente à passagem que liga o bairro Peixoto e a Rua Santa Clara, onde o blogueiro foi baleado. “Eles quiseram nos intimidar, mas não vão conseguir”, disse o ex-corregedor da PM, coronel Paulo Ricardo Paúl, que também tem um blog na internet.

"Não vou parar de escrever", diz blogueiro"Não vou parar de escrever", disse, em entrevista ao G1, o blogueiro Ricardo Gama. Internado desde o último dia 23, ele está sob escolta de dois policiais militares durante 24h na porta do quarto do hospital. "Estou pensando em voltar (a escrever) hoje mesmo. Não vou parar de escrever não. Vou tomar meus cuidados e continuar”, disse ele.

Uma das primeiras precauções tomadas por Ricardo será comprar uma bicicleta ergométrica para pedalar dentro de casa e não ter que ir mais à academia de ginástica. Foi neste trajeto, que ele fazia diariamente para ler os jornais enquanto se exercitava, que o advogado levou quatro tiros.
“A rotina a partir de agora vai mudar”, afirmou ele, que teme ficar sem segurança a partir do momento em que deixar o hospital. Os PMs que fazem sua escolta foram enviados pela Secretaria de Segurança Pública, mesmo sem a solicitação do blogueiro.

“Vou ver como faço isso. Vou na secretaria de Segurança, moro em frente ao batalhão, posso pedir uma viatura para passar. Sei que não posso ser privilegiado, não sei como fazer, mas vou tentar. É complicado ficar sem isso”, ponderou.

Retaliação
"Nunca esperava que fosse chegar a esse ponto"
Ricardo Gama, blogueiro
Ricardo diz ter certeza de que os disparos foram feitos por retaliação ao blog, onde posta vídeos, fotos e texto, criticando políticos, traficantes, grupos organizados, além dos problemas da cidade. “Que foi por causa do meu blog eu não tenho a mínima duvida. Já vinha recebendo várias ameaças. Mas nunca esperava que fosse chegar a esse ponto”, contou.

Ele ressaltou que, no Bairro Peixoto, onde mora, nunca teve preocupação com a violência, pois o local tem policiamento constante, por conta da proximidade com o batalhão. “Sempre fui um cara precavido. Já fiz muitos flagrantes, andava na rua com muita atenção em tudo, sempre fiquei procurando coisa errada. Mas lá não tinha essa precaução, então, foi muito inesperado”, disse.

‘Minha cabeça queimava muito’

Do momento do crime, Ricardo diz que só se lembra de ter comprado os jornais e, quando virou para seguir para a academia, ouviu um estouro “como se fosse uma bomba”: “Depois do barulho, caí no chão. Lembro da cabeça queimando. As pessoas começaram a chegar. Uma senhora colocou a mão na minha cabeça e começou a rezar, comecei a gritar, pedir a ajuda.

Sua mulher, grávida de nove meses, e o porteiro foram avisados e levaram Ricardo para o hospital. O blogueiro tem uma filha de 1 ano e meio e um filho de três anos. No próximo dia 15, segundo ele, nascerá mais uma menina. “Nasci de novo. Os médicos falaram que eu tive recuperação inédita. Agora comemoro dois aniversários”, brincou.

Cirurgia no maxilar

Na noite de segunda-feira (28), o blogueiro passou por uma nova cirurgia para fixar o maxilar. Segundo hospital, Ricardo passa bem. Ele deixou a UTI neurológica da unidade na manhã desta quarta e está no quarto. Ainda não há previsão de alta.

Jair Bolsonaro passará. O problema são suas idéias

Para acabar com a mentalidade dos vários "Bolsonaros" do Brasil. Mais educação na sala de aula.

Debate em sala de aula: direitos humanos universais x direitos humanos para humanos direitos.

Bolsonaro: racismo e homofobia



Alborghetti: bandido bom é bandido morto?



Direitos Universais: herança do iluminismo



Desafios do Brasil na construção dos direitos humanos: a desigualdade social



Desafios do Brasil na construção dos direitos humanos: educar uma nova geração de brasileiros

terça-feira, 29 de março de 2011

Bônus não atrai bons profissionais para a educação

Retirado do site IG:
Autor: Mateus Prado

Com salário maior, professores conseguiriam melhorar vivência cultural e, consequentemente, qualidade do ensino.

Os bônus por produtividade nas redes de ensino público causam bastante polêmica entre os educadores. Poderia a lógica aplicada na indústria e no comércio, de premiar conforme a “produtividade”, ser adaptada para o ensino público e garantir que a qualidade da educação melhore?
Talvez ainda se encontre uma forma para que a prática dê certo, mas, da forma que é aplicado em São Paulo, não temos essa garantia. Em 2010, por exemplo, somente cerca de 70% das escolas estaduais tiveram uma nota considerada suficiente para que seus profissionais recebessem o bônus, que será pago em 2011. No ano anterior, o benefício atingiu cerca de 90% das escolas. Ou seja, até para os padrões definidos pelo governo, muitas escolas paulistas não estão melhorando.

É importante estar atento para o fato de que boa parte dessas escolas não atingiu totalmente a meta e vão receber só parte do bônus. Os dados demonstram que cada profissional vai ganhar, em média, pouco mais de R$ 3 mil, de bônus, neste ano. Como só quem atinge a meta ganha 2,4 vezes o seu salário, e considerando quanto ganham os profissionais de educação em São Paulo, fica claro que grande parte dos profissionais só atingiu parcialmente as metas.

Os profissionais das escolas que, por exemplo, superam suas metas, recebem 2,9 vezes a média de seus salários do ano. Claro que, pra quem ganha, é ótimo. Representa até um 16º salário. O problema é que a prática passa a responsabilidade pela qualidade da educação somente, ou principalmente, ao trabalho dos docentes.

Em educação, as coisas não são implantadas. Quando construímos uma estrada, podemos ter a certeza de que com mais trabalhadores, equipamentos e matéria prima a construção ficará pronta mais rápido. Em ensino, existem mais variáveis a serem consideradas, e, além disso, tudo o que é feito em educação tem que ser visto como desenvolvimento. Podemos até aumentar a velocidade com que os educandos desenvolvem habilidades e competências, mas não podemos 'depositá-las' nos alunos.

Quando utilizamos avaliações que aplicam provas, o que descobrimos, mais do que qualquer outra coisa, é como são os alunos em relação ao que é cobrado nos exames. No curto prazo, sempre são as mesmas escolas que ocupam os primeiros e os últimos lugares.

Mais do que ter boa estrutura, bom material didático ou bons professores, as melhores colocadas são aquelas que receberam os alunos que melhor se adaptam ao sistema de ensino. E isso tem a ver com a história socioeconômica do aluno. A qualidade do professor é o segundo aspecto que afeta o aprendizado. O primeiro engloba a estrutura familiar, sua renda per capita, a qualidade do gasto do orçamento, a escolarização dos pais, o contato com livros e periódicos, a sensação de pertencimento ao grupo, a valorização que o grupo dá para a educação, a qualidade de suas atividades de lazer, suas viagens, entre outras coisas.

É justamente por isso que não podemos olhar dados de forma absoluta. Uma escola, por exemplo, que sempre tira 7 nas avaliações acrescenta menos aos alunos do que uma que começa com 3, passa pra 4 e chega a 5. Não podemos insistir no erro de querer que todos os alunos, e todas as escolas, sejam iguais. Quando fazemos isso, tentamos orientar a escola para aqueles que 'sabem', em detrimento daqueles que não 'sabem'. E isso exclui, não pode ser adotado como política pública em nenhum lugar.

O bônus de São Paulo considera justamente onde a escola estava e onde ela chegou, apesar de vários setores da sociedade ainda insistirem em destacar as maiores e as menores notas absolutas, sem considerar sua historia. Até a Secretaria de Estado fez esse equívoco em edições anteriores do prêmio, quando algumas escolas com notas absolutas altas não conseguiram aumentá-las e mesmo assim receberam o bônus. Provavelmente, a nota tinha tem muito mais ver com os alunos do que com a qualidade da educação na unidade escolar.

O mesmo vale para os educadores. Os melhores são aqueles que possuem condições socioeconômicas mais aprimoradas. E não é só uma questão de renda familiar, mas também de vivência cultural. E é aí que erra o Estado de São Paulo. Temos duas formas de melhorar a qualidade do que é feito dentro das salas de aula. Uma é atrair profissionais mais capacitados para a carreira. A outra é melhorar a capacitação dos profissionais que estão na carreira.

Para atrair profissionais melhores para a carreira é fundamental que o salário seja maior. O bônus não é percebido como aumento nos salários, porque não é uma garantia. O professor pode trabalhar o ano todo contando que sua escola vai bater as metas e que ele vai receber três salários a mais, mas acabar recebendo apenas um, ou até mesmo ficar sem gratificação. Com a diversificação da economia e a diminuição do desemprego no Brasil, cada vez os jovens encontram mais possibilidades de carreira.

Como um professor ganha, em média, 60% a menos que outro profissional com o mesmo tempo de estudo, é natural que cada vez menos pessoas se interessem pela profissão.

Para melhorar a capacitação de quem já está na rede, a capacitação tem que ser continuada. E capacitação continuada não pode ser entendida somente como um curso a cada 15 dias (na verdade nem esta periodicidade existe, de forma universalizada, na rede paulista). O professor se capacita quando participa de cursos e encontros, quando lê, quando assiste a vídeos, quando navega pela internet, quando escreve artigos, quando debate, quando se abre para novas idéias, quando cria, quando viaja, quando conversa, quando reflete sobre essas atividades.

É esta a idéia que devemos ter da capacitação continuada. Guardados os limites do bom senso, deve ocorrer a toda hora e a todo momento. Não pode ser só o curso, o encontro ou a oficina. Deve se tornar a própria vivência do professor. Acontece que, ganhando pouco, mesmo aqueles que gostariam de ler bons livros, fazer viagens, pagar por uma internet rápida, ir ao cinema, assinar jornais e revistas, entre outras coisas, ficam financeiramente impedidos de fazê-lo. Além disso, ao professor resta pouco tempo para exercer sua curiosidade intelectual. Alguns se dedicam a jornadas durante o dia inteiro. Outros dividem o magistério com outras profissões. Soma-se a isso a necessidade de administrar a família, cuidar dos filhos, corrigir provas e trabalhos e preencher diários de classe e não sobra tempo para nada.

Concordo que alguns dos atuais professores, mesmo que ganhassem muito mais que nas outras profissões, não teriam um gasto qualificado do salário a ponto de melhorarem suas vivências culturais. Isso porque os salários, apesar de serem baixos, foram suficientes para atrair algumas pessoas que não encontravam outras perspectivas de trabalho e que, definitivamente, mas não possuem nenhum talento para educar.

Mas não são as exceções que devem guiar a política pública para a educação. Salários maiores são uma necessidade, maior do que as atuais políticas de incentivo, para atrair bons profissionais para a carreira e para dar a possibilidade de que os atuais professores passem pela experiência da melhoria na formação.

Do jeito que está, o bônus do Estado de São Paulo pode criar um ciclo nada pedagógico. O que hoje é cobrança pode transformar-se em “culpalização”. A Secretaria do Estado vai começar a culpar as direções regionais por maus resultados. As direções regionais culparão os diretores de escolas. Os diretores de escola, naturalmente, vão dizer que os culpados são os professores. E os professores dirão que são os alunos, o elo mais frágil e que mais precisa de atenção.

Escolas estaduais vão parar no dia 31 de março. Dia Estadual de Luta terá passeata no Centro do Rio

No dia 31 de março, os profissionais das escolas da rede estadual e da rede municipal do Rio vão fazer uma paralisação de 24 horas. Neste dia, o Sepe e entidades que integram o Fórum Estadual em Defesa da Escola Pública – FEDEP (universidades, sindicados e associações das escolas federais e técnicas, partidos políticos, centrais sindicais e diversas entidades representativas dos estudantes) promovem o Dia Estadual de Luta em Defesa da Educação Pública para exigir dos governos federal, estadual e municipais mais investimentos, melhores salários e melhores condições de trabalho.

A partir das 10h, profissionais e estudantes, além de representantes das entidades que compõem o FEDEP irão se concentrar na Candelária para uma marcha pela Avenida Rio Branco até a Cinelândia. Ali, será realizado um ato público, com objetivo de denunciar para a população as condições da escola pública no estado do Rio de Janeiro. Depois do ato, os profissionais das redes estadual e municipal farão uma assembléia unificada nas escadarias da Câmara de Vereadores para discutir os próximos passos da mobilização que faz parte da Campanha Salarial 2011 nas escolas estaduais e municipais.

Rede estadual exige reabertura das negociações com governo do estado

Nas 1.652 escolas que integram a rede estadual (70 mil profissionais e 1,245 milhão de alunos), os profissionais estão mobilizados para conseguir reajuste emergencial de 26% e pela incorporação imediata e integral da gratificação do Programa Nova Escola (cujo término, estipulado pelo governador Sérgio Cabral, só se dará em 2015). A categoria também reivindica a inclusão dos funcionários de apoio no plano de carreira e paridade para os aposentados da educação. O índice de 26% reivindicado é resultante de parte das perdas salariais entre 2009 e 2010.

Hoje, um professor do estado iniciante (nível 1) recebe um piso salarial de R$ 610,38; já um professor que trabalha 22 horas semanais, com 10 anos de rede (nível 3), recebe R$ 766,00; Para comparar: um professor do CAP UERJ, que também é administrado pelo estado, trabalhando 40 horas, recebe R$ 3.299,50 ou 4,31 vezes o que professor nível 3 do estado recebe – a comparação tem que ser feita também em relação às melhores condições de trabalho e mais tempo para atividades extra-classe para o professor do CAP, em relação aos professores da rede normal.

A situação do funcionário administrativo é ainda pior: se a incorporação do Nova Escola fosse feita imediatamente o piso salarial desse funcionário atingiria somente R$ 533,00 – menos, portanto, que o salário mínimo nacional, que é R$ 545,00.

O Sepe, reiteradamente, tem tentado buscar a via da negociação com as autoridades estaduais, mas, desde o início do ano, não tem tido resposta do governador aos pedidos de audiência. A última audiência com o secretário de Educação Wilson Risolia foi realizada no início de janeiro, quando ele convocou o sindicato para fazer uma apresentação do seu Plano de Metas e não discutiu as reivindicações da categoria

quarta-feira, 23 de março de 2011

URGENTE - Blogueiro Ricardo Gama é BALEADO no Rio

O blogueiro Ricardo Gama foi baleado no final da manhã desta quarta-feira (23)em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. De acordo com as primeiras informações do 19º BPM (Copacabana), ele levou três tiros. O jornalista tem um blog de política e critica ferozmente o governo Sergio Cabral.
.
Ricardo foi socorrido por populares antes da chegada da polícia e levado para o hospital Copa D'or, onde passa por uma cirurgia. Segundo a assessoria do hospital, ele foi atingido no pescoço e na cabeça. Ainda não há informações sobre seu estado de saúde e a polícia ainda investiga em que circunstâncias em que ele foi baleado.


Fonte: Tabloide Fluminense

terça-feira, 22 de março de 2011

ATUALIZADO: Secretaria estadual de educação bloqueia acesso ao blog do Valença em Questão nos estabelecimentos de ensino.



No dia 22 de março de 2011, o professor Sanger Nogueira tentou acessar o blog do Valença em Questão (www.blogdovq.blogspot.com) dentro do estabelecimento de ensino estadual, situado na cidade de Valença, no horário do recreio. Para a nossa surpresa, o blog citado foi bloqueado.

Uma dos temas mais discutidos no blog é a educação. A atitude da secretaria constitui-se censura ao veículo de informação. Diferentemente das redes sociais (twiter, facebook, Orkut), o objetivo, entre outros, do blog do Valença em Questão é informar o seus leitores como anda a educação no estado do rio de janeiro. Várias postagens feitas no blog denunciam as mazelas de um ensino que ocupa a penúltima posição de acordo com o índice de desenvolvimento da educação básica (IDEB). Denunciamos que a educação do estado rio de janeiro tornou-se um cabide de empregos para as lideranças políticas do nosso estado. Educação é uma política de Estado, portanto, um veículo de informação crítico do governo não pode ser censurado. Acreditamos que o conhecimento das mazelas da educação é o primeiro passo para pensarmos em soluções para mesma.

Lembramos ainda que a constituição brasileira no seu artigo 5º, inciso 9 é bem clara ao dizer: É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença. Reforçamos a idéia com o artigo 220 no seu segundo parágrafo: É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

Contra a censura e a favor da constituição, solicitamos que a secretaria de educação libere o acesso ao blog do Valença em Questão para todas as escolas.

Atenciosamente

Sanger Amaral Alves Nogueira. [Coloque seu nome aqui]

Ps: Copie e cole o corpo do artigo e envie para a assessoria de imprensa da secretaria de educação. ascom@educacao.rj.gov.br

Ps2: Resposta da Secretaria estadual de educação: Prezado Vitor,

Boa Noite!
Informamos que por medida de segurança e performance de nossa rede, vários sites foram bloqueados em nossos links administrativos, evitando acessos a sites de conteúdo impróprio, incidência de vírus entre outros.

Neste caso específico, todo o conteúdo do Blogspot foi bloqueado, sendo desbloqueados pontualmente conforme pedidos feitos pelos professores, diretores e orientadores tecnológicos.

Todos os sites hoje bloqueados poderão ser desbloqueados, desde que seja pedido conforme pagina de bloqueio >

http://www.educacao.rj.gov.br/bloqueioescolas/

e que o mesmo esteja dentro dos padrões de segurança de nossa rede.

Solicitamos o contato via email institucional (@educacao.rj.gov.br ou @prof.educacao.rj.gov.br) solicitando o desbloqueio do blog em questão que o mesmo será analisado.

[NASSIF] Justiça decide libertar presos políticos do ato contra Obama

Ato com o grupo será realizado hoje, às 17h, nas escadarias do Theatro Municipal

Do Portal do PSTU

Cerca de uma hora após o presidente Barack Obama ter deixado o país, a Justiça deu um despacho a favor da libertação dos 13 manifestantes, presos desde a sexta-feira, após protesto no Consulado dos Estados Unidos. O grupo está nos presídios de Bangu 8 e Água Santa e deve ser liberado nas próximas horas. No sábado, um juiz de plantão havia negado a liberdade, alegando que os ativistas representariam uma ameaça ao presidente norte-americano e poderiam "macular" a imagem do Brasil.

Durante o final de semana, uma grande campanha foi feita, com atos e milhares de assinaturas de apoio aos presos. "Estamos aliviados e agradecidos por toda a solidariedade. Foi o que garantiu a liberdade ao grupo. Agora é ver se todos estão bem...", comemorou Cyro Garcia, presidente do PSTU, partido que tem 10 militantes presos. Cyro criticou o caráter político das prisões e até da libertação. "Nada vai apagar o que aconteceu. Foi um ataque sem precedentes aos direitos humanos. Obama discursou falando da democracia, comemorando não estarmos mais em uma ditadura, mas o governador deixou pessoas inocentes em presídios até que a viagem terminasse. O governo de Dilma, presa na ditadura, não fez absolutamente nada", afirmou.

O grupo ficou em celas isoladas nos presídios, mas ainda assim os advogados irão averiguar indícios de maus tratos. "Todos os homens em Água Santa tiveram a cabeça raspada", conta Aderson Bussinger, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, que acompanha o caso. "Obama veio aqui e deixou um Guantánamo. E ninguém noticiou", completa Cyro.

Uma situação especial é o de Maria de Lourdes Pereira da Silva (foto), de 69 anos. A senhora, que também é conhecida pela torcida do Fluminense como “Vovó tricolor”, pela assiduidade aos jogos, estava passando pelo Centro do Rio, na sexta-feira, quando se juntou ao grupo que dizia “Obama, go home”. Ela terminou presa em Bangu 8 com Gabriela Proença da Costa, estudante de Artes da Uerj, e a professora Pâmela Rossi. Por ironia, o presidente Obama recebeu uma camisa do Fluminense durante a visita a uma escola de samba, no Rio de Janeiro.

 

Os presos irão deixar o presídio acompanhados por oficiais de justiça, em ônibus e carros da Secretaria de Segurança, em direção ao Instituto Médico Legal, onde farão exames. De lá, seguirão para uma entrevista coletiva, com seus parentes. Em seguida, às 17h, um ato público será feito nas escadarias do Theatro Municipal, onde Obama discursou. "Vamos lavar as escadarias e abraçar os presos", comemora o professor Miguel Malheiros. "Não vamos parar aqui. Também vamos exigir que sejam retiradas as acusações, para que não retornem a prisão mais à frente apenas por estarem em um ato pacífico e em defesa do nosso petróleo", completou.

Por Rosângela Pereira da Silva

"Sou filha mais velha da vovó tricolor e gostaria de agrader as pessoas que torceram pela libertação de minha mãe. Ela está em minha casa muito abatida, não comeu todos esses dias e somente chora. Nunca, em toda a sua vida, passou por momentos tão terríveis. Sua prisão ao meu ver foi um total exagero visto que minha mãe tem 69 anos e jamais foi fichada por qualquer crime. Não é militante ou foi. Nossa presidente é que foi uma militante. Ou ela já esqueceu disso? Tenho a certeza que toda essa pompa e circunstância não seria vista por ela em terras americanas. JAMAIS!!!

Tenho agora a missão de restaurante , com a ajuda de minhas irmãs, a saúde de minha mãe para que não entre numa depressão. Ela voltará ao seu foco principal que é ser a querida VOVÒ tricolor. Ela e seu galinho com cara de infesado ...........Um abraço em todos e obrigada NASSIF pela sua matéria."


segunda-feira, 21 de março de 2011

Divulgada data do SAERJ bimestral: 13/04

Retirado do site da Secretaria de Educação (?)

Provas de Língua Portuguesa e Matemática do primeiro bimestre serão aplicadas no dia 13 de abril

No próximo dia 13 de abril, a Secretaria de Estado de Educação dá início ao Saerjinho, sistema de avaliação bimestral do processo de ensino e aprendizagem nas escolas. A partir de agora, os alunos do 5º e 9º ano do Ensino Fundamental e das três séries do Ensino Médio das escolas estaduais de ensino regular presencial farão, ao final de cada bimestre, provas de Língua Portuguesa e de Matemática. O objetivo é acompanhar mais de perto o rendimento dos estudantes, detectando de maneira mais ágil as dificuldades de aprendizagem.

Criado nos moldes do Saerj, o Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro, o Saerjinho tem caráter formativo e será desenvolvido a partir dos conteúdos, competências e habilidades propostos no Currículo Mínimo. As provas de Língua Portuguesa terão foco em leitura e as de Matemática, na solução de problemas.

O Saerjinho será realizado em todas as escolas da rede, nos três turnos, no horário das aulas, sendo o professor que estiver em classe o responsável pela aplicação das provas. As escolas têm autonomia para decidir o melhor horário para a realização das avaliações e fiscais acompanharão todo o processo. As provas ficarão nas escolas para correção e os professores podem usá-las como parte das avaliações em cada bimestre, atribuindo peso específico a elas.

Resultados

Os resultados, que serão disponibilizados online, vão apontar a eficiência e a qualidade do trabalho desenvolvido em cada unidade escolar e serão aproveitados nas diversas instâncias do sistema de ensino. Com este retrato será possível fortalecer as práticas pedagógicas e realizar intervenções tanto de reforço na aprendizagem como de capacitação dos docentes.

O Saerjinho é mais uma ação do Programa de Educação do Estado, que pretende melhorar a educação da rede e colocar o Rio de Janeiro em uma das cinco primeiras posições no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) até 2014.

domingo, 20 de março de 2011

Tirem as crianças da sala. Veja abaixo o nome dos 13 "terroristas" que estão presos em Bangu e Água Santa (sem direito à fiança) por protestarem contra o Obama

Gilberto Silva - eletricista;
Rafael Rossi - professor de estado, dirigente sindical do SEPE;
Pâmela Rossi - professora do estado;
Thiago Loureiro - estudante de Direito da UFRJ, funcionário do Sindjustiça;
Yuri Proença da Costa - carteiro dos Correios;
Gualberto Tinoco - servidor do estado e dirigente sindical do SEPE;
Gabriela Proença da Costa - estudante de Artes da UERJ;
Gabriel de Melo Souza Paulo - estudante de Letras da UFRJ, DCE UFRJ;
José Eduardo BRAUNSCHWEIGER - advogado;
Andriev Martins Santos - estudante UFF;
João Paulo - estudante do Colégio Pedro II, 16 anos;
Vagner Vasconcelos - Movimento MV Brasil;;
Maria de Lurdes Pereira da Silva - doméstica, a vovó de 69 anos

Agentes comunistas do mal ameaçam a visita do grande líder do mundo livre, Barack Obama, e atacam a PM se jogando na frente das bombas

quinta-feira, 17 de março de 2011

ICMS: Valença bate recorde de arrecadação em Janeiro


O primeiro mês do ano de arrecadação do ICMS ( imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços)foi o melhor janeiro desde 2004. O imposto é arrecadado pelos Estado e repassado para os municípios. Os dados são do site da secretaria de fazenda do estado do Rio de Janeiro. A evolução da arrecadação entre 2004/2010.

Janeiro 2004 1.440.989,66

Janeiro 2005 1.117.328,15

Janeiro 2006 1.203.099,07

Janeiro 2007 1.276.356,37

Janeiro 2008 1.372.428,27

Janeiro 2009 1.394.799,73

Janeiro 2010 1.547.063,48

Janeiro 2011 1.682.868,94

Se a arrecadação aumenta, por que não aumentam os investimentos do município na cidade? E o fechamento do pré-vestibular? E a falta de pagamento dos contratados?

terça-feira, 15 de março de 2011

Agoniza mas não morre: PMV cancela pré vestibular comunitário

O Pré Vestibular do Município (Prevest 2011) , publicado nos Boletins Oficiais nº 398 e 399 , com datas de inscrições inclusive , já estava com 150 alunos inscritos , quando estranhando - se a demora , fez se contato com a Secretaria de Educação e a resposta foi que o mesmo havia sido cancelado sem um mínimo de explicação e sequer um pronunciamento oficial deste órgão público , mais uma vez em nosso município , vemos um total desrespeito a população , principalmente aos mais carentes , desta vez com gravidade maior , já que atinge a educação de nossos jovens .

Uma outra opinião:

"O cancelamento deste programa é um procedimento normal em uma Administração Pública Anormal em que a municipalidade valenciana está passando".

Dê voz de prisão ao Paulo Maluf que há em você!

Retirado do site: Tudo é história!
Autor: Alessandro Santana

Dez entre dez brasileiros, se questionados, colocariam a corrupção como um dos maiores problemas do nosso país, se não o pior, pois dela decorrem todos os outros como a violência e a falta de condições dignas para a maioria da população.

Não somos os únicos e tampouco seremos os últimos a tratar desse tema. Talvez não na mesma escala, mas ela ocorre em todos os países do mundo, incluíndo os países "desenvolvidos" que nos servem de modelo.

Sabemos também que ela extrapola os limites da política, isto é, enquanto ficamos horas criticando nossos políticos - que nós mesmos escolhemos, fazemos as coisas mais absurdas no nosso cotidiano, tais como enganar os outros visando algum lucro ou benefício, furar filas, burlar uma ou outra regra, etc. A esse comportamento que nós chamamos carinhosamente de "jeitinho brasileiro", o historiador Sérgio Buarque de Holanda (pai do compositor Chico Buarque) atribuiu ao "Homem cordial". Segundo ele, os brasileiros usam essa máscara de cordialidade com o objetivo de conseguir tirar vantagem das mais diversas situações, mais que isso, também como uma forma de resistência às adversidades do dia-a-dia e dos sistemas políticos.

Em seu livro Raízes do Brasil, Sérgio Buarque procura compreender os traços históricos que formaram os brasileiros que somos hoje - recomendo a TODOS que leiam esse livro!. Para isso, busca no "estilo português" de colonização a origens de vários desses vícios. Compara o colonizador português ao espanhol, respectivamente o semeador e o ladrilhador, explicitando a total falta de planejamento urbano e econômico dos primeiros, sempre focados na exploração rápida e a qualquer custo.

Não me estenderei muito nesse ponto devido aos limites do blog, mas é por essa via que caminha o historiador, jurista, sociólogo e cientista político (Ufa... o cara é fera!) Raimundo Faoro. Em Os donos do poder, sua obra prima, mostra como esquemas de propinas, contrabandos e desvios de dinheiro, tão presentes nos nossos noticiários, também possuem raízes nos modos como o Brasil foi colonizado. Pra você ter uma ideia, era bastante comum pessoas venderem tudo em Portugal para comprar cargos de fiscais por aqui, pois o que compensava tal esforço não era a "remuneração" oferecida pela Corte, mas sim a participação no vistoso sistema corrupto colonial.

Essa explicação histórica da corrupção não pode, entretanto, servir de justificativa para a apatia do brasileiro frente à situação vergonhosa que vivemos. Ao invés de nos conformarmos com o "foi sempre assim", deveríamos pensar o que eu posso fazer pra mudar essa situação. Não é preciso que ninguém se sinta o próprio Zorro, mas que procure realizar a mudança a partir das pequenas coisas e atitudes, no nosso dia-a-dia.

Por isso o título desse post, inspirado na dissertação de uma aluna que tenho no 2º ano do EM. Analisando e propondo soluções para o problema da corrupção generalizada no país, com base nos pensamentos de Nicoloau Maquiavel (O príncipe) e Tomas Morus (A utopia), afirma que todos nós deveríamos ter um Thomas Morus dentro de nós, isto é, um bom senso que nos levaria a pensar as situações não sobre o prisma do lucro fácil, mas sim pelo da ética e da moral. Assim como não se começa uma casa pelo telhado, somente fazendo a nossa parte é que, a médio ou longo prazo, conseguiremos mudar a realidade do nosso país.

Obama fará discurso na Cinelândia/RJ

O Presidente dos EUA, Barack Obama, vem ao Brasil para tentar "sensibilizar" o governo Dilma sobre a política americana de intervenção na vida dos outros países. E como o governo Dilma está mais à direita que o FHC, é bem provável que ela se encante pelo discurso do afroamericano.

Sergio Cabral, pra variar, vai estar macaqueando junto. Mas a minha pergunta é: o que um governante estrangeiro tem a dizer ao povo brasileiro?

Resposta: quem manda nessa zorra sou eu!

segunda-feira, 14 de março de 2011

Uma grande revista de sacanagem

Ivan Lessa

Colunista da BBC Brasil

No ônibus e no metrô, ou mesmo no táxi, eu só a leio malocada sob a capa de uma publicação inócua, algo assim feito Big Tits (“Peitões”) ou Bums Galore (“Bundas às pampas”). Sou cauteloso, respeito a moralidade dos outros. Mesmo em casa, na mais perfeita solidão, a sós com a gata dormindo na sala, tomo cuidado. Alguém pode chegar de repente.

Esse macete de fantasiar a revista em questão até que me dá um frisson que me remete à minha mocidade há tanto tempo passada. Ah, aquelas revistas mal impressas em papel vagabundo e que davam vontade na gente de, sei lá, fazer as maiores besteiras do mundo! O passado é um país onde os velhos têm livre entrada e deles não se exige documentação para o ingresso.

Estou me referindo à revista norte-americana Forbes, e peço logo perdão às pessoas de sensibilidade mais delicada, cujos olhos, por isso ou aquilo outro, aqui nestas linhas vieram ter. A Forbes é a revista de mulheres, depiladas ou matagosas, daqueles a quem o dinheiro e sua posse excessiva (se existe dinheiro em excesso) provoca boca seca, suores na mãos, conturbações nas partes inferiores do corpo.

Não, não sou assinante. Não, também não tenho verba para chegar no jornaleiro e pedir um exemplar, mesmo que seja uma ou duas vezes por ano.

A Forbes foi publicada pela primeira vez em 1917 (um bom ano, hein, bolcheviques?), é bissemanal, comparece ainda com 4 números especiais por ano. Seu moto, talvez influência da década em que surgiu, é singelo: The Capitalist Tool, qual seja, “A Ferramenta Capitalista”.

Ela gosta de se qualificar como “exclusiva para os donos dos fatos e que querem saber o que fazer com eles”. Exato. Feito as moças e rapazes das revistas que uso como camuflagem.

A especialidade da Forbes são as listas. Quando da pauleira dos anos anos 30, anos do crash e da depressão, não teve muita lista a fazer. Ponderou, fleugmatizou. Seus artigos não provocavam coceira em parte alguma do corpo, do cérebro humano. Limitaram-se aos sucedidos da época, feito cigana enganadora em parque barato de diversões. Muitíssima moderação em tudo que lembrasse prognóstico ou mesmo diagnóstico.

Agora mesmo, nessa suposta recessão que vivemos, a Forbes tem mais o que fazer do que dar palpite. Seu negócio, como o das lavadeiras, é publicar rol. De bilionários. Em todas as (perdão, público) posições possíveis. Rol com os 40 mais do mundo árabe, os 40 mais do mundo em desenvolvimento, os 40 mais daqui, os 40 mais dali.

Sempre acompanhados de foto não-comprometedora e extensa e eloquente dissertação sobre suas posses e interesses. A Forbes é a espécie mais avançada do que alguém – quem mesmo? – já chamou de “pornografia oligárquica”. Uma posição que não consta dos tomos eróticos especializados.

A circulação anual da Forbes é de 23,4 milhões de exemplares e a renda básica de seu leitor average fica na casa dos US$ 217 mil, sendo sua idade média 43 anos e, para as mulheres, que elas também são chegadas a uma “ferramenta capitalista”, 32 anos.

No mais recente exemplar com os 400 mais ricos do mundo, voltou a erguer a copa Forbes o empresário mexicano Carlos Slim, chegado às comunicações e ostentando um invejável patrimônio líquido de de US$ 74 bilhões. 20 bilhões a mais do que no ano passado. Está, pois, entre os 1.210 bilionários do mundo inteiro, que, unidos, sabemos, jamais serão vencidos.

A América Latina faz um papel bonito na listagem “forbesiana”: 37 países nossos irmãos lá estão, palhaços das perdidas ilusões, vestindo a camisa dourada daqueles que semeam o progresso. Entre eles, com muita honra, foguete e desfile na Sapucaí, o seu, o meu, o vosso, e principalmente o dele mesmo, Eike Batista, que chegou – estufai vossos peitos, esquentai vossos pandeiros – em oitavo lugar.

Sim, nada mais nada menos que oitavo lugar, graças à sua penetrante visão nos campos da mineração e do petróleo, que lhe renderam, no ano que passou, US$ 27 bilhões.

Não termina aí nosso motivo de orgulho. A Forbes informa que o Brasil tem 18 pessoas ou famílias com fortunas acima de US$ 1 bilhão e o maior número de bilionários da América Latina (tremei, China; cuidai-vos, Estados Unidos).

Um total de 27 milhões de unique visitors (visitantes de passagem? Turistas da fortuna?) passa os olhos nos 4 sites oficiais da Forbes. Quase tantos como aqueles que, de vez em quando, também únicos, dão uma vista de olhos nos sites Lusty Women, Giant Dicks e hard.porn.com.

Líder do PT no Senado afirma que não vê articulação por projeto de lei de acesso à informação pública

Retirado do site: informações públicas

Em maio de 2009, a então chefe da Casa Civil Dilma Rousseff se empenhou para que o governo Luiz Inácio Lula da Silva enviasse ao Congresso um projeto de lei de acesso à informação pública. O texto, que amarga na gaveta no Senado, levou apenas 11 meses para ser aprovado pela Câmara.

A proposta regulamenta os artigos 5 e 37 da Constituição, que garantem o acesso à informação pública. Acaba, por exemplo, com o sigilo eterno de documentos e estabelece critérios para a liberação ou o bloqueio de documentos oficiais, criando mecanismos de recurso e métodos de responsabilização de servidores públicos que soneguem - ou forneçam ilegalmente - dados à sociedade. O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), reconheceu que até agora ninguém falou sobre o assunto e desconhece qualquer articulação para dar celeridade ao projeto.

- Sinceramente, ainda não ouvi ninguém da bancada ou do governo falar sobre isso - afirmou.

O diretor da Transparência Brasil disse que o desinteresse geral pelo tema é surpreendente, pois Dilma Rousseff foi uma das principais interessadas na aprovação da proposta durante o governo Lula. Para Claudio Abramo, é "bobagem" relacionar a lei com temas passados, como a ditadura militar. Para ele, a grande virtude da lei é ampliar a transparência sobre os contratos públicos, principalmente em estados e municípios.

- Hoje, é praticamente impossível saber como o dinheiro é gasto em pequenas cidades e até em estados grandes, como São Paulo, cujo orçamento equivale ao de um país. Surpreende ainda mais pelo fato de o próprio governo ser o autor da proposta - sublinha.

[HUMOR] - O Diário da Presidenta

30 DE JANEIRO_Ai, estou tão feliz com minha primeira viagem internacional como presidenta! Botei aquele LP da Emilinha Borba para servir de trilha sonora enquanto arrumava a mala. Dobrei com cuidado a blusinha de seda zebrada.
Lula ligou com uma lista imensa de pedidos para comprar no free shop. Disse que a Marisa adora alfajores.
Não contava com a turbulência. É chato não ter ninguém para pegar na minha mão. O Edison Lobão  [ministro do PMDB] teria algo gentil para fazer nesse momento.
.
31 DE JANEIRO_Cristina estava chiquérrima, supercheirosa. Vou pedir para aquele general que é chefe dos arapongas descobrir o perfume que ela usa e como faz para esconder as pontas duplas. O saldo foi bom: acertamos acordos bilaterais, trocamos dicas de botox e peguei uma receita de empanadas cordobesas.
.
1º DE FEVEREIRO_Balanço do primeiro mês: até agora só o Lobão e a Marta Suplicy me chamaram de “presidenta”. Como recompensa, vou encarregar a Marta de organizar o Dia Internacional da Mulher. O que é do Lobão está guardado.
Preciso trocar esses sofás escuros do gabinete. Toda vez que olho para eles me lembro do fhc. Têm um carma muito ruim. Vou chamar um estofador e fazer uma reforma.
Temer ligou para indicar um estofador ligado ao PMDB de Sergipe. Aceitei: às vezes é preciso ceder. Cinco minutos depois, o estofador chegou, acompanhado de quatro assessores e dois primos. Um deles perguntou se eu queria uma massagem nos ombros.
.
2 DE FEVEREIRO_Tudo certinho com o discurso na Câmara. Espero que os deputados entendam o recado: depois do superaumento que aprovaram para eles mesmos, não sobrou nada para o salário mínimo. 
Estava louca para pedir um autógrafo ao Tiririca, mas o pessoal aqui achou que pegava mal.
Assim que Sarney venceu a eleição do Senado, chegou um bilhetinho dele: “Vou enterrar todos vocês.” Fazer o quê? O maranhense é profissa.
.
3 DE FEVEREIRO_Chegaram as camisetas para o camarote do Gilberto Gil no Carnaval. Pedirei para o Herchcovitch cortar as mangas. Sérgio Cabral também me convidou para o Sambódromo. Prometeu que desta vez não vai beber. Sei, sei.
.
4 DE FEVEREIRO_Quando cheguei, todos me esperavam com cara de assustados. Ninguém queria contar do apagão no Nordeste. A Miriam Belchior [ministra] criou coragem, contou e xinguei até a quarta geração dela.
Quando retomei a serenidade, pedi um copo d’água com açúcar e meio que pedi desculpas. Fui ao banheiro e saquei da bolsa o envelope que o Lula me deu no dia da posse, aquele com o aviso “Abrir somente em caso de emergência”. O recado, escrito à mão, dizia: “Telefonar para o João Santana [marqueteiro].”
Telefonei. Ele disse que ia botar umas notas na imprensa falando que reagi com frieza, não aceitei as explicações e exigi um relatório detalhado.
.
5 DE FEVEREIRO_Não aguento mais falar de salário mínimo, outro abacaxi que o Lula me deixou. Fazer reunião com esse pessoal do Paulinho me cansa. E ainda tem o Paim [senador], aquele chatonildo.
Saíram as notinhas do Santana. Não é que colou? A Miriam continua chateada comigo.
.
7 DE FEVEREIRO_Estreei o Café com a Presidenta. Me deu um nervoso e tive de repetir o texto sete vezes. Vamos ver se agora “presidenta” emplaca.
Por falar em café, mandei reduzir a verba do Supremo. O chantilly para o Gilmar Mendes era um exagero. Voltaram os digníssimos juízes à boa e velha garrafa térmica.
.
10 DE FEVEREIRO_“De noite, eu rondo a cidade a te procurar, sem te encontrar.” Acordei com essa música na cabeça. Será que o Lobão vai ao aniversário do PT?
Na festa, li para o Lula e o Santana a coluna do Jabor comparando os presidentes e concluindo que sou muito melhor. O Lula só faltou fazer xixi nas calças de tanto que ria.
O Santana mandou servir coxinha, tubaína e quibe do Habib’s. O bolo foi doado pelo Eike Batista. O partido tem que dar impressão de austeridade, disse o Santana. Tudo bem, mas a sidra Cereser me deu uma azia que nem te conto, e o bolo era mais chinfrim que a peruca do Eike.
.
12 DE FEVEREIRO_ Que fofa a foto, nos jornais, do Lula num avião comum. Mandei botar como descanso de tela no meu computador.
.
14 DE FEVEREIRO_Cheguei atrasada no serviço: a manicure foi lá em casa e a minha mãe quis fazer a unha primeiro. Tive que brigar com a minha tia, que também queria passar na frente. Resultado: cheguei com as unhas borradas e a Miriam fez questão de notar.
.
16 DE FEVEREIRO_Hoje tem votação do salário mínimo. Chamei o Temer na minha sala e o fiz sentar no sofá estofado pelo PMDB sergipano. Ele entendeu o recado.
Passei o dia tensa. Coloquei a Isaurinha Garcia no último volume e escrevi um relatório sobre energia eólica para relaxar. Quando vi, tinha comido uma caixa inteira de Sonho de Valsa.
Temer ligou para dizer que “o PMDB conquistou uma vitória magna”. A petulância do bofe...
.

19 DE FEVEREIRO_Noite de sabadão no cineminha privê do Alvorada: ê, vidão! “Valeu a pena ter pegado em armas”, disse o Lobão no terceiro uísque.
O Lula, abelhudo, estragou tudo: chegou sem avisar e trouxe o Sarney, o Santana, o Vicentinho e uns 35 sindicalistas. O filme, escolhido pelo Santana, foi O Discurso do Rei. A mensagem é óbvia: sem marqueteiro não se vai a lugar nenhum. No fim, o Lula fez um discurso me imitando, todo gago: “Nã-nã-nã. (pausa) Não. Te-te-te-ter (pausa) gi-gi-gi (pausa) versarei!” Anotei o nome dos que se escangalharam de rir. O Sarney ficou roxo, mas não deu nem um sorrisinho. É um profissa, realmente.
.
21 DE FEVEREIRO_Aniversário da Folha à noite. Ter que confraternizar com paulistas, tucanos e jornalistas, ah, meu querido diário, essa nem o Lula encarava. E ainda por cima vou perder o paredão do BBB.
Pouquinho antes da festa da Folha, o Palocci mandou um SMS: “Evite opiniões sobre o Oriente Médio, a taça das bolinhas e o novo corte de cabelo do Justin Bieber.” Deu tudo certo. O Palocci é ninja, entende de paulista como ninguém.
.

22 DE FEVEREIRO_Acordei mais cedo para tomar café sossegada. Mas minha mãe e minha tia, que andam de morte, já tinham comido todo o pão de queijo. Com esse calorão me deu a maior vontade de entrar na piscina, mas o Kamura falou que o cloro ia desmanchar meu look Carolina Herrera.
.

23 DE FEVEREIRO_Preciso escolher a roupa que vou usar quando a Michele vier. A Marcela do Temer recomendou um estilista de Mato Grosso que faz coisas tipo indígenas. Disse que preciso prestigiar a moda étnica. Não sei não: parece que índio dá azar.
.

24 DE FEVEREIRO_Para evitar briga com a minha mãe, saí cedíssimo. E quem estava no meu gabinete, sentado na minha mesa, fuçando no meu computador? O Lula, claro. Ficou hiper sem graça, falou que estava passando e resolveu dar uma olhada no e-mail. Fingi que acreditei e ele saiu com o rabo entre as pernas.
Aproveitei que estava com o computador aberto e votei no paredão do Big Brother. Aquele pedaço de mau caminho que é o Rodrigão não pode sair de maneira alguma. Nem o pão do Wesley. Fora, Adriana!
.

25 DE FEVEREIRO_O Temer ligou para contar que o tal estilista índio que a Marcela indicou é do pmdb e daria um excelente presidente da Funai.
.
26 DE FEVEREIRO_Caiu a ficha do Lula: ligou para perguntar por que tem uma foto dele em avião comum no meu computador.
.
28 DE FEVEREIRO_Não vejo a hora de chegar o Carnaval.

domingo, 13 de março de 2011

O poder da internet: fatos x versões

Os últimos acontecimentos políticos no norte da África constituem ocasião singular para observação do papel da mídia no mundo contemporâneo. Da nova e da velha mídia.

Embora seja mais fácil e simpático estabelecer, sem mais, uma relação de causalidade direta entre as novas TICs e a derrubada, por exemplo, do velho ditador egípcio, talvez seja prudente não precipitar conclusões.

A palavra do especialista
Quando esteve no Brasil, a convite do Centro Ruth Cardoso, aquele que muitos consideram a maior autoridade mundial da chamada “sociedade-rede”, Manuel Castells, em entrevista à Folha de São Paulo conduzida dentro do controvertido enquadramento de “decepção com o papel da internet no processo eleitoral brasileiro”, declarou às vésperas do primeiro turno das eleições de 2010:

“O Brasil segue uma dinâmica assistencialista em que da política se esperam subsídios e favores, mais do que políticas. A situação econômica do país melhorou consideravelmente. (...) A renovação do sistema político exige que as pessoas queiram uma mudança, e isso normalmente ocorre quando existem crises. A internet serve para amplificar e articular os movimentos autônomos da sociedade. Ora, se essa sociedade não quer mudar, a internet servirá para que não mude” [grifo meu; cf. http://www1.folha.uol.com.br/poder/801906-se-um-pais-nao-quer-mudar-nao-e-a-internet-que-ira-muda-lo-diz-sociologo-espanhol.shtml].

Recentemente, diante das manifestações populares na Tunísia e no Egypto, perguntado se estava surpreso pela mobilização social, Castells respondeu:

“Na verdade não. No meu livro ‘Comunicação e Poder’, dediquei muitas paginas para explicar, a partir de uma base empírica, como a transformação das tecnologias de comunicação cria novas possibilidades para a auto-organização e a auto-mobilização da sociedade, superando as barreiras da censura e repressão impostas pelo Estado. Claro que não depende apenas da tecnologia. A internet é uma condição necessária, mas não suficiente. As raízes da rebelião estão na exploração, opressão e humilhação. Entretanto, a possibilidade de rebelar-se sem ser esmagado de imediato dependeu da densidade e rapidez da mobilização e isto relaciona se com a capacidade criada pelas tecnologias do que chamei de “auto-comunicação de massas” [grifo meu; cf. http://www.outraspalavras.net/2011/03/01/castells-sobre-internet-e-insurreicao-e-so-o-comeco/ ].

Embora se referindo a situações radicalmente distintas, Castells indica que as TICs – redes sociais, celulares e outros – não causam os movimentos sociais mas funcionam como “condição necessária” para a ampliação e articulação deles. E, por óbvio, é necessário que as TICs estejam suficientemente (?) difundidas na sociedade em questão, seja ela o Brasil ou a Tunísia.

A velha mídia
Por outro lado, comentando depoimento da Secretaria de Estado Hillary Clinton no Comitê de Política Externa do Senado dos Estados Unidos, no dia 2 de março, no qual ela afirmou que os EUA estavam perdendo a “guerra da informação” (sic) para a rede Al Jazeera, o jornalista político escocês-estadunidense Alexander Cockburn, um dos editores do jornal CounterPunch, lembrou:

“(...) há uma florescente pequena indústria da internet que afirma que a derrubada de Mubarak ocorreu por cortesia do comando Twitter-Facebook dos EUA. O New York Times publicou numerosos artigos sobre o papel do Twitter e do Facebook enquanto ignora ou vilipendia ao mesmo tempo Julian Assange e Wikileaks. Por certo, em qualquer discussão sobre o papel da internet na convocação dos levantes no Oriente Médio, deveria se dar o maior crédito ao Wikileaks. Mas Wikileaks, junto com Twitter e Facebook, tornam-se quase insignificantes em comparação com o papel exercido pela Al Jazeera. Milhões de árabes não podem tuitar e não estão familiarizados com o Facebook. Mas a maioria vê televisão, o que significa que todos assistem à Al Jazeera, a qual detonou o “artefato explosivo improvisado” que estourou sob a Autoridade Palestina, a saber, o conjunto de documentos conhecidos como Palestine Papers” [cf. http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=17511 ].

Para Hillary e para Cockburn a “guerra da informação” continua sendo travada e disputada, de fato, no território da velha televisão.

Ainda Gramsci
Todas essas considerações são apenas para repetir a cautela que tenho reiterado em relação às interpretações que atribuem, sem mais, poderes mágicos e revolucionários às novas TICs.

Nos “Cadernos de Cárcere” quando Antonio Gramsci (1891-1937) comenta sobre a "crise de autoridade" (Selections of the Prison Notebooks; International Publishers, New York, 1971; págs. 275-276), embora, por óbvio, as circunstâncias fossem outras e seja necessária uma pequena adaptação no texto, penso que se aplica ao nosso momento histórico a idéia de que "o velho está morrendo e o novo apenas acaba de nascer. Nesse interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparece" (a frase original correta é: "A crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer. Nesse interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparece").

Um pouco de cautela talvez não nos leve a conclusões precipitadas sobre o real poder das novas TICs. E, mais importante, evite erros graves na avaliação e na formulação de políticas públicas para as comunicações.


Venício A. de Lima é professor titular de Ciência Política e Comunicação da UnB (aposentado) e autor, dentre outros, de Liberdade de Expressão vs. Liberdade de Imprensa – Direito à Comunicação e Democracia, Publisher, 2010.

Fonte: Carta Maior

quinta-feira, 10 de março de 2011

Quem falou que acabou a ditadura? P2 (polícia disfarçada) fotografa alunos do Colégio PedroII que protestavam contra calor nas salas de aula do Rio de Janeiro

Foto: Rafael Coletto

Triste uma sociedade que trata seus alunos e estudantes como BANDIDOS.

Brasil fica no 88º lugar em ranking de educação da Unesco

Site da Folha de São Paulo

ANGELA PINHO

DE BRASÍLIA

O Brasil manteve a mesma posição do ano passado e ficou no 88º lugar de 127 no ranking de educação feito pela Unesco, o braço da ONU para a cultura e educação. Com isso, o país fica entre os de nível "médio" de desenvolvimento na área, atrás de Argentina, Chile e até mesmo Equador e Bolívia.

A classificação foi feita a partir de um índice criado para medir o desempenho das nações em relação a metas de qualidade para 2015 estabelecidas na Conferência Mundial de Educação de Dacar, em 2000.

Entre os objetivos a serem atingidos estão ampliar a educação infantil, universalizar o ensino primário, combater as desigualdades de gênero na área e melhorar a qualidade.

O "Relatório de Monitoramento Global", lançado nesta terça-feira em Nova York, mostra como cada país está se saindo em relação a esses objetivos. O programa de combate ao analfabetismo no Brasil é apontado como um exemplo, embora o país tenha cerca de 14 milhões de pessoas que não sabem ler e escrever, e os dados mostram que o país é um dos que mais aumentou seus investimentos em educação.

Por outro lado, o documento mostra que o país ainda tem muitas crianças fora da escola (cerca de 600 mil) e que esse número pode subir se a inclusão não for acelerada.

CONFLITOS ARMADOS

O documento da Unesco trata ainda de conflitos armados e mostra que eles tiram 28 milhões de crianças das salas de aula. A situação é agravada porque 21 países gastam mais com a área militar do que com o ensino primário. O texto defende também uma maior ajuda das nações desenvolvidas para combater o problema.

Ranking País/Território
1 Japão
2 Reino Unido
3 Noruega
4 Cazaquistão
5 França
6 Itália
7 Suíça
8 Croácia
9 Holanda
10 Eslovénia
11 Nova Zelândia
12 Espanha
13 Alemanha
14 Cuba
15 Austrália
16 Finlândia
17 Dinamarca
18 Suécia
19 Chipre
20 Estônia
21 Irlanda
22 Luxemburgo
23 Azerbaijão
24 Lituânia
25 Hungria
26 Belarus
27 Grécia
28 Polônia
29 Israel
30 Geórgia
31 Tadjiquistão
32 Islândia
33 Estados Unidos
34 Brunei
35 Sérvia
36 Uruguai
37 Trinidad e Tobago
38 Argentina
39 Bélgica
40 Mongólia
41 Tonga
42 Quirguistão
43 Armênia
44 Bulgária
45 República Checa
46 Emirados Árabes Unidos
47 Portugal
48 Uzbequistão
49 Chile
50 República da Coreia
51 Bahrain
52 Romênia
53 Ucrânia
54 Maldivas
55 Kuait
56 Macedônia
57 México
58 Aruba
59 República da Moldávia
60 Bahamas
61 Jordânia
62 Malta
63 Antígua e Barbuda
64 Santa Lúcia
65 Malásia
66 Macau (China)
67 Maurício
68 Panamá
69 Indonésia
70 Fiji
71 Colômbia
72 Peru
73 Turquia
74 Venezuela
75 Belize
76 Palestina
77 Paraguai
78 Bolívia
79 Líbano
80 Equador
81 Tunísia
82 São Tomé e Príncipe
83 Namíbia
84 Botswana
85 Filipinas
86 Arábia Saudita
87 El Salvador
88 Brasil
89 Omã
90 Honduras
91 Cabo Verde
92 Suriname
93 Quênia
94 Suazilândia
95 Zâmbia
96 República Dominicana
97 Guatemala
98 Gana
99 Uganda
100 Nicarágua
101 Butão
102 Camboja
103 Lesoto
104 Burundi
105 Camarões
106 Marrocos
107 Índia
108 Madagascar
109 Laos
110 Mauritânia
111 Maláui
112 Bangladesh
113 Djibuti
114 Togo
115 Gâmbia
116 Benin
117 Senegal
118 Moçambique
119 Paquistão
120 Iêmen
121 Mali
122 Eritreia
123 Guiné
124 Burkina Fasso
125 República Centro-Africana
126 Etiópia
127 Níger
Fonte: Education for All Global Monitoring Report

Livros completos para baixar

O blog Coleções Nerds disponibiliza uma infinidade de livros sobre Filosofia, Ciências Sociais, Pedagogia. São muitas as obras e vale uma visita:

http://colecoesnerds.weebly.com


Já o blog Mídia8 disponibiliza 244 livros sobre Redes Sociais, Comunicação e Web 2.0:

http://www.blogmidia8.com/p/biblioteca-virtual.html

quarta-feira, 9 de março de 2011

Nossos políticos e o bairro da passagem: nada mais que promessas



O Valença em Questão investigou as atas da Câmara dos vereadores de Valença e o site da prefeitura municipal para lembrar as promessas feitas em relação ao bairro da Passagem entre os anos de 2009 e 2010. O resultado é um festival de promessas requentadas: a mais célebre é o asfaltamento e urbanização do bairro da Passagem. Pede-se o asfaltamento da Passagem, ganha-se a troca de lâmpadas de uma rua. O Bairro da passagem já ajudou a eleger os avós e os pais da atual classe política valenciana. Uma verdadeira indústria de votos que mantém centenas de pessoas numa condição miserável de vida. Até quando?

1) O Bairro da passagem no site da Prefeitura municipal de Valença.

Visita do vice-governador Pezão em Valença. Compromisso com Valença: pavimentação e urbanização dos 4 Km do Bairro da Passagem.

2) O Bairro da Passagem nas atas da Câmara dos Vereadores de Valença

a) Uso da tribuna

Vereador Naldo parabeniza vereador Celsinho do Bar por ter conseguido 3 km de asfalto para o bairro da passagem. Sessão do dia 17/06/2009

Vereador Carlinhos de Osório afirma que o prefeito Vicente Guedes está conseguindo verba para o bairro da Passagem. Sessão do dia 22/06/2009

Vereador Pedro Graça afirma que o Prefeito Vicente Guedes trará o asfalto para Passagem. Sessão do dia 03/08/2009.

Vereador Pedro Graça lista as obras contempladas pelo PAC (programa de aceleração do crescimento) do governo federal. Quantia de 11 milhões de reais para fazer, entre outras obras, a infra-estrutura e o macro drenagem do bairro da Passagem. Sessão de 17/08/2009

Vereador Carlinhos de Osório usa a tribuna para dizer que recebeu um telefonema de Vicente Guedes em Brasília sobre a disponibilização das verbas para o bairro da Passagem. Sessão do dia 17/08/2009

Vereador Pedro Graça volta a falar sobre a verba do PAC (programa de aceleração do crescimento) do governo federal. Disse que o total de investimentos do PAC em Valença será da ordem de 30 milhões de reais. Sessão do dia 12/05/2010.

Vereador Pedro Graça fala que prefeito Vicente Guedes está me Brasília para conseguir mais recursos pra Valença com o objetivo de asfaltar o bairro da Passagem. Sessão do dia 17/05/2010.

Vereador Celsinho do bar agradece ao prefeito Vicente Guedes pelo asfalto da passagem. Comunica que o edital de licitação sairá ainda esse ano. Sessão 26/05/2010.

Vereador Pedro Graça usa a tribuna para falar sobre a licitação do asfalto do bairro da passagem no valor de R$ 4.762.000.

b) Indicações dos nossos vereadores

Indicação número 157/09 do vereador Zan solicitando projeto de urbanização do Bairro da Passagem. Sessão do dia 06/05/2009.

Indicação número 21/2010 do vereador Celsinho do bar pedindo a construção de uma sala de aula e limpeza na rua em torno da Escola do bairro da passagem. Sessão do dia 10/02/2010

Indicação número 77/2010 do vereador Celsinho do bar solicitando a troca de 24 lâmpadas para o bairro de Passagem. Sessão do dia 10/03/2010.

Requerimento número 33/2010 do vereador Celsinho do bar solicitando cabo de linha telefônica em todo o bairro da Passagem. Sessão do dia 29/03/2010.

Requerimento 43/2010 do vereador Celsinho do Bar solicitando o conserto de todos os telefones públicos do bairro da Passagem. Sessão do dia 7/04/2010.

Requerimento 46/2010 do vereador Celsinho do Bar solicitando poda de árvores no bairro da passagem. Sessão do dia 12/04/2010.

Indicação número 149/2010 do vereador Celsinho do bar solicitando a patrol no bairro da passagem. Sessão do dia 19/04/2010

Indicação número 223/2010 do vereador Celsinho do bar solicitando a visita do grupo de vigilância sanitária no município de Valença. Sessão do dia 24/05/2010.

Indicação número 271/2010 do vereador Celsinho do Bar solicitando a troca de Lâmpadas e a poda de árvores. Sessão do dia 30/06/2010

Indicação número 289/2010 do vereador Celsinho do Bar solicitando a patrol para ser usada na estrada da Passagem. Sessão do dia 12/07/2010.

Indicação número 150/2010 do vereador Celsinho do bar solicitando a pavimentação do Bairro da Passagem. Pediu o encaminhamento de sua solicitação para o deputado estadual Andre Correa e para Sérgio Cabral. Sessão do dia 13/10/2010

Indicação número 426/2010 do vereador Celsinho do bar solicitando a troca de lâmpadas no bairro da passagem.

sábado, 5 de março de 2011

Programação do carnaval

Sábado

20:30 Desfile de blocos na avenida Nilo Peçanha

24:00 Show com Bahia e cia

Domingo

16:00 Pelo telefone (Jardim de cima)

20:30 Desfile das escolas de samba na avenida Nilo Peçanha

24:00 Show com Tá na mente

Segunda

16:00 Pelo telefone (Jardim de cima)

20:30 Desfile de blocos na avenida Nilo Peçanha

24:00 Show com o grupo Disfarce

Terça feira

16:00 Pelo telefone (Jardim de cima)

20:30 Desfile das escolas de samba na avenida Nilo Peçanha

24:00 Show com Bahia e cia

Novo piso de professor é menor que de profissionais com mesmo curso

Quem tem graduação em letras, biologia, química e física consegue remuneração inicial maior fora do que dentro da sala de aula

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo

Apesar do aumento anunciado na semana passada de 15,85%, o novo piso nacional para professores – de R$ 1.187 mensais por 40 horas semanais – é a menor remuneração inicial que profissionais formados em áreas relacionadas às disciplinas escolares podem ter. Se conseguirem trabalho fora da sala de aula, formados em letras, biologia, química e física tem perspectiva de salário inicial maior.

Nas outras áreas de formação de professores, história, geografia, matemática, sociologia, filosofia e pedagogia, o mercado de trabalho fora da escola é quase nulo para quem conclui apenas a graduação. Ainda assim, há uma opção mais rentável do que dar aulas: estudar. As bolsas de mestrado para pesquisadores com dedicação exclusiva, que vão de R$ 1.200 a R$ 1.478, para o doutorado sobem para até R$ 2,5 mil.

Biologia
No caso dos biólogos, o Conselho Federal de Biologia mantém uma tabela de “referência de honorários” que, apesar de não ser atualizada desde 2007, prevê cobrança mínima de R$ 40 por hora, ou R$ 1.600 pela mesma carga do piso nacional, para os profissionais com experiência de até três anos. Os mais experientes, receberiam R$ 150 por hora.

Química
Os químicos têm a remuneração regulamentada pela lei 4.950 de 1966, que prevê cinco salários mínimos vigentes no País, ou R$ 2.725, para quem fez uma graduação de menos de quatro anos. Quem fez bacharelado, tem direito a seis salários, R$ 3.270. A legislação vale para carga horária de seis horas por dia (30 horas de segunda a sexta).

Letras
No caso de Letras, a comparação fica prejudicada porque os profissionais que enveredam pela carreira de tradutor costumam receber por trabalho e não por mês. A lista de “valores praticados” pelo Sindicato Nacional dos Tradutores, no entanto, mostra que quem tiver trabalho a realizar, consegue uma remuneração melhor do que como professor de língua. A tradução mais barata por escrito custa R$ 26 por página. Um profissional teria que traduzir 45 páginas por mês para chegar ao piso do professor. Já uma tradução simultânea paga por um dia mais do que o piso: são R$ 1.200 nos Estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul e R$ 1.300 em São Paulo e Rio de Janeiro.

Física
O profissional formado em física também tem pouco mercado de trabalho fora da sala de aula para quem fez apenas faculdade. Segundo Ivan Oliveira, pesquisador do Centro Brasileiros de Pesquisas Físicas, o profissional que faz mestrado e doutorado tem remuneração inicial de R$ 10 mil como pesquisador, mas antes disso só há duas opções, dar aulas ou ser aprovado em concursos da Petrobras. “Neste segundo caso, o salário mais baixo é de R$ 8 mil”, afirma.