quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Corrupção

Já faz um tempo que não discutimos política no blog. Na época das eleições as postagens eram semanais já que os acontecimentos políticos “pulavam” na cena política valenciana. Como já saímos do “olho do furação”, penso que podemos discutir um tema muito batido na realidade brasileira, mas sempre tratado de uma forma inadequada: a corrupção.

Um dias desses estava conversando com meu amigo jornalista que é apaixonado na investigação das contas públicas. Ele me passava algumas dicas para identificar sintomas de corrupção numa cidade. Ouvindo-o, pude perceber a necessidade de discutirmos a corrupção de uma outra forma.

Primeiramente, o conceito: corrupção é toda prática em que um bem, ou cargo, público é utilizado para uma finalidade privada. Indo mais longe, é quando o interesse público é deixado de lado em favor da rapina de alguns grupos da sociedade, geralmente, vindo das famílias mais “nobres” da cidade.

Em segundo lugar uma constatação: todo mundo é contra a corrupção. Ainda não encontrei um cidadão que defenda a corrupção. Contudo, a inexistência de tal pessoa não garante que não tenhamos práticas corruptas em nosso país ou em nossa cidade. Assim como a pobreza, o racismo e a intolerância, a corrupção é filha de mãe e pai desconhecidos. Ela está aí e pronto.

Geralmente tentamos fugir da corrupção através do Personalismo: procuramos a pessoa com uma extrema de virtude, aquele que será incorruptível e não deixará a corrupção passar em brancas nuvens no seu governo. Geralmente quebramos a cara ao descobrir que nosso salvador não agüentou a pressão e deixou-se levar pela correnteza.

Quebramos a cara justamente por pensar que uma pessoa é capaz de não praticar e de coibir a roubalheira numa cidade. Com o decorrer da conversa com o tal amigo, pude perceber minha ignorância sobre o funcionamento da administração pública. Termos como “quadro de despesas”, “detalhamento de contas’, “boletins oficiais”, toda uma gama de documentos que eu não fazia idéia de existirem. Mas existem, e precisam ser investigados...

Investigação rima, ou rimava, com imprensa. Nos grandes centros urbanos ainda temos, mesmo que de forma muito superficial, a denúncia quando governantes se apropriam dos cofres públicos. Aqui em Valença não temos nada disso... É uma coisa incrível, por exemplo, que falte merenda nas escolas municipais e isso não se torne um incômodo para nós. Estamos acostumados com tal situação, ou pior, achamos natural que isso aconteça já que o atual governo vai sair dentro de dois meses. Para onde foi o dinheiro da merenda?

Fico aqui imaginando a quantidade de focos que podem existir na nossa cidade. Como não existe fiscalização e nem está escrito na testa as pessoas que são corruptas, torna-se necessário que nós, como cidadãos, aprendamos o vocabulário “burocrático” da administração de nossa cidade. Mas daí vem uma outra questão: quem vai perder seu final de semana tentando achar falcatrua.....

2 comentários:

Tadeu disse...

Já estava sentido falta de seus brilhantes textos Sanger.

Esse problema, vivenciado no mundo todo, não tem pai nem mãe porque todo mundo nega sua respnsabilidade na paternidade deste filho e se encara e comenta com os outros que é apenas padrasto dele.

Anônimo disse...

Professor,
soube por fonte confiável que no Sítio do Fábio Vieira as máquinas da PMV trabalham sem parar na reforma do lago do Prefeito e funcionários da PMV trabalham na construção da nova casa do filho do Prefeito neste mesmo sítio.
Pelo pouco que sei, os pagamentos na prefeitura são feitos por cheque assinados pelo tesoureiro e pelo prefeito, após liberação do secretário de fazenda. Essa deve ser a turma de corruptos principais em Valença. Se bem que o filho do tal de Valtinho Tavares, João Vitor dono da boate fábrica, foi visto com um monte de cheques da PMV que eram para pagar prestadores de serviços e ele extorquia 25%.
Procure o Movimento Por amor a valença, eles sabem bem das corrupções na PMV.